Problemas nos transportes marítimos são retrato da governação socialista
Publicado em 16 de Abril, 2015

O PSD/Açores considerou que a atual situação dos transportes marítimos da Região, especialmente nas ilhas do Triângulo, “é o retrato perfeito da governação socialista, que foge por todos os meios e de todas as formas a explicar aos açorianos o que se passa”, disse o deputado Cláudio Lopes.

Numa declaração política, o social-democrata afirmou que “esse silêncio do governo regional não pode ser tolerado porque é, em primeiro lugar, sinónimo de um profundo desprezo pelos açorianos”, criticou.

“Já por diversas vezes o PSD/Açores questionou o governo regional sobre os problemas com os transportes marítimos no triângulo, nunca obtendo qualquer resposta. O que aconteceu na Madalena? Porque é que a operação continua condicionada em São Roque?”, perguntou Cláudio Lopes.

O parlamentar reforça que é preciso saber, “de uma vez por todas, se o Terminal Marítimo da Madalena foi inaugurado sem que estivessem feitas todas as certificações, nomeadamente dos cabeços de amarração”.

“Não podemos ter nos Açores governantes que se chegam à frente para discursar e tirar fotografias nas inaugurações, e depois se escondem quando é para assumir responsabilidades”, afirmou Cláudio Lopes.

O deputado lembrou ainda que o governo regional “não explica porque é que vai construir dois navios contra todas as opiniões. Só Vasco Cordeiro e Victor Fraga sabem porque querem construir dois navios, e só eles podem explicar aos açorianos porque não mostram os estudos que justificam essa opção”.

“Há deputados do PS e antigos dirigentes da administração portuária regional que questionam tecnicamente essa solução. Todos os empresários dos Açores, como ficámos ontem a saber, questionam a decisão. E o governo o que diz? Nada”, lamentou.

O deputado do PSD/Açores referiu-se também às queixas “de vários açorianos”, que se sentiram “enganados” ao folhear a revista “Prestar Contas” socialista, “que o governo lhes meteu na caixa do correio”.

“Que se trata de uma revista onde a publicidade enganosa ou a efabulação dominam. Mas onde, curiosamente, faltam fotografias dos navios de cruzeiro fundeados ao largo da Horta por falta de um porto e de um terminal de cruzeiros em condições no Faial”.

“E onde também não entram fotografias do Parque Tecnológico da ilha Terceira ou do Cais de Cruzeiros de Angra, nem se encontram referências às Termas do Carapacho e ao seu papel no desenvolvimento do turismo da Graciosa”, exemplificou.

“No papel socialista está tudo bem, mas o secretário dos transportes anda de ilha em ilha a pedir desculpa por existir. E o secretário da saúde anda a passear pelos serviços de urgência dos hospitais para não falar dos centros de saúde e das listas de espera cirúrgica”, disse Cláudio Lopes.

“Enquanto isso, o secretário da educação visita escolas para perceber porque é que elas são as mais caras de sempre mas apresentam os piores resultados do país. E o vice presidente emigrou para Lisboa, onde ensina os socialistas nacionais a hipotecar o património de empresas públicas como a SINAGA ou a criar o buraco de 179 milhões de euros de dívida à SATA”, adiantou.

Durante o debate, Cláudio Lopes criticou igualmente o governo regional “pelo constante desrespeito à Assembleia Legislativa, demonstrado na falta de respostas aos requerimentos feitos pelos deputados da oposição”, assim como lembrou que a revisão, “com quase ano e meio de atraso”, feita à Carta Regional das Obras Públicas, “demonstra apenas que o investimento público sofrerá uma redução de 10%, quando a promessa era exatamente alavancar a economia açoriana. Trata-se de mais um logro do governo socialista”, concluiu.