UAc. Paulo do Nascimento Cabral defende formação avançada para candidaturas europeias

Ponta Delgada, 05 Junho 2024 ©Hugo Moreira

O candidato da AD – Aliança Democrática às eleições europeias de 9 de junho, Paulo do Nascimento Cabral, defende o “desenvolvimento de uma formação avançada ao nível da gestão de projetos e candidaturas a fundos europeus”, numa parceria com a Universidade dos Açores.

“Há cada vez mais fundos na gestão direta da Comissão Europeia e estima-se que serão diminuídos os financiamentos de gestão aos Estados-membros, o que tem de ser compensado e a Universidade dos Açores tem ótimos quadros, ótimos técnicos que têm feito um trabalho excecional em programas como Horizonte Europa e Erasmus”, afirmou.

O candidato ao Parlamento Europeu entende que a Universidade dos Açores “pode exercer um papel essencial junto do tecido empresarial e social através de candidaturas a estes financiamentos europeus”.

Em declarações à comunicação social no final de uma reunião com a Reitora da academia açoriana, o social-democrata disse ainda “ter recebido também um encargo que passa pela revisão do próximo programa Erasmus, de modo que haja uma discriminação positiva em relação aos estudantes que vêm para os Açores”.

Paulo do Nascimento Cabral recordou que, a última eurodeputada do PSD/Açores no Parlamento Europeu, “conseguiu uma majoração para a viagem, mas tendo em conta a subida ao nível dos custos de vida, como a habitação, importa proceder a uma atualização dos valores a atribuir”.

Para o candidato, “trata-se de manter o nível entre as regiões europeias, do que propriamente beneficiar quem vem estudar” para a academia açoriana.

“Há a necessidade igualmente de prosseguir e aprofundar um trabalho no âmbito das políticas europeias vocacionadas para a investigação, inovação e ensino superior”, indicou.

Nesse sentido, o social-democrata destacou “a importância da inovação numa Região como a dos Açores, uma das regiões onde há menos investimento e investigação da parte do setor privado, de acordo com os últimos dados da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico)”.

“É fundamental termos um setor privado em associação com a nossa Universidade, com os nossos centros de investigação para promover aqui produtos de maior qualidade, maior diferenciação”, concluiu Paulo do Nascimento Cabral.