Paulo do Nascimento Cabral salienta esforço associativo por novas soluções no setor agrícola

O candidato às eleições europeias pela lista nacional da AD–Aliança Democrática, Paulo do Nascimento Cabral, salientou hoje o esforço das associações de produtores da região “para a definição de novas soluções no setor agrícola”.

O social-democrata falava após reunir com a Associação dos Agricultores da Graciosa, frisando que “o que eu vejo é muita vontade de resolver os problemas, e há que enaltecer isso desta e de outras direções associativas, que se focam nas soluções e não nos problemas”.

Salientando que o setor agrícola “é, por natureza, uma aposta estratégica, quer do Governo dos Açores como da própria Região”, Paulo do Nascimento Cabral confirmou que “existem limitações das nossas ilhas, para as quais temos algumas respostas, como o POSEI-Transportes”.

“É assim também com o Fundo de Garantia Agrícola, sendo muito importante garantir que há um financiamento europeu que permita garantir a estabilização da produção de leite e uma justa remuneração para os produtores”, explicou.

“Defendemos assim um reforço do POSEI, bem como a proteção dos produtos locais, ao abrigo dos Acordos de comércio livre entre a União Europeia e países terceiros”, considerando “essencial salvaguardá-los no âmbito do Artigo 349 do Tratado, que criou o Estatuto da Ultraperiferia”, acrescentou.

Segundo Paulo do Nascimento Cabral, “há diversas oportunidades nas acessibilidades, como o regime de distribuição de fruta, leite e legumes nas escolas, que não está a ser totalmente potenciada a nível europeu, em que as Regiões Ultraperiféricas devem ter uma majoração decisiva”.

“Há desafios que temos de ultrapassar, utilizando esta energia que encontramos nas associações, como esta dos Agricultores da Graciosa, com as quais espero trabalhar diretamente”, garantiu.

“Comprometo-me a ser essa voz de proximidade, quer da sociedade civil, mas também das associações representativas dos vários setores, e desde logo da Agricultura”, sendo que, “esta campanha eleitoral, tem sido também um reencontro com vários amigos e conhecidos de há vários anos, fruto deste caminho de cerca de 10 anos de trabalho no Parlamento Europeu, e agora no Conselho Europeu”, partilhou o candidato da AD–Aliança Democrática.

“Há esse conhecimento e essa proximidade, e assim não custa fazer campanha nem trabalho político”, pelo que “posso garantir que, depois do dia 9, assim se vai manter, porque estarei a representar os açorianos, e claro os setores mais importantes para a nossa economia”, concluiu Paulo do Nascimento Cabral.