PSD/Açores lembra que governação socialista “destruiu” a SATA

O deputado do PSD/Açores António Vasco Viveiros acusou hoje os anteriores Governos socialistas de “destruir” o grupo SATA com rotas que somaram milhares de euros em prejuízos, cuja fatura será paga por todos os açorianos.

O parlamentar social-democrata falava no debate de urgência sobre “Transportes” que decorreu esta manhã na Assembleia Legislativa dos Açores. António Vasco Viveiros lembrou que a “herança” deixada pelos socialistas em relação à gestão da SATA ascende a perto de 700 milhões de euros de passivo.

António Vasco Viveiros salientou que não foram as rotas inter-ilhas que conduziram ao atual estado do grupo SATA. “Não se ouviu açoriano nenhum pedir uma rota Lisboa – Salvador em 2013 que deu um prejuízo de 900 mil euros. Não ouviu nem o PSD, nem o CDS, nem o PPM, nem qualquer açoriano a pedir uma rota Funchal – Estocolmo que deu 300 mil euros de prejuízo. Não vi ninguém a pedir Funchal-Paris que deu um prejuízo de 800 mil euros. Rotas que não traziam nada aos Açores”, disse apontando o dedo ao PS por “incompetência e má visão estratégica da empresa”.

O deputado do PSD/Açores recordou que a SATA “está desde agosto de 2020 num processo de averiguações por ilegalidades no aumento de capital social. Ou seja, não foram cumpridas as regras da União Europeia”. Aguarda-se agora a aprovação do plano de reestruturação da empresa.

Mas os erros dos Governos socialistas não se cingem aos transportes aéreos, sublinhou António Vasco Viveiros referindo-se à operação sazonal da Atlanticoline. Indica a propósito a suspensão da linha amarela pelo Governo da Coligação – PSD, CDS-PP e PPM -, no último caderno de encargos de concessão de serviço público, em linha com as conclusões de um relatório do Tribunal de Contas que detetou um prejuízo da ordem de 23 milhões de euros na execução do anterior contrato, numa rota com uma taxa de ocupação de apenas 18%.

Para António Vasco Viveiros, uma coisa é certa, o “PSD não vira costas ao seu passado, tem um sentido crítico e escrutínio político relativamente aos transportes da Região, quer esteja na oposição quer esteja na posição de apoiar o Governo, mas acreditamos que este Governo cumprirá no espaço da legislatura o seu programa em matéria de transportes, na certeza de que será essencial para a nossa economia e para a mobilidade dos açorianos”, concluiu.