Paulo Moniz destaca importância de eleger deputados que defendam primeiro os Açores

O cabeça de lista da AD/Aliança Democrática (PSD/CDS-PP/PM) às eleições legislativas nacionais, Paulo Moniz, destacou a importância de eleger deputados que “defendam primeiro os Açores” na Assembleia da República, lembrando que o próximo mandato será “bastante exigente” e que cada obstáculo deve ser transposto com os ”Açores no coração e os superiores interesses dos Açorianos na consciência”.

“A próxima legislatura será bastante exigente, fruto do tempo pandémico e suas consequências que todos atravessamos. Mais do que nunca, na Assembleia da República, será necessário ter deputados que defendam primeiro os Açores e os supremos interesses da nossa Região”, afirmou o candidato da AD/Aliança Democrática, na sessão de apresentação da lista de candidatos da coligação, que decorreu no Teatro Faialense, na Horta.

De acordo com Paulo Moniz, “os Açores não podem servir de moeda de troca ou serem postos em segundo plano quando se impõem disciplinas partidárias”.

“Ao contrário de outros, já demos várias provas na República do caminho que seguimos sem desvios, sem recuos e sem dúvidas, porque para nós, e também ao contrário de outros, os superiores interesses dos Açores, estão sempre em primeiro lugar”, frisou.

O candidato da AD/Aliança Democrática sublinhou que a coligação apresenta uma lista “plural e representativa”, composta por pessoas que “representam as suas comunidades e são reconhecidos por provas dadas na sociedade, nas suas carreiras profissionais, assim como nas suas ilhas e na sua entrega à causa pública e ao bem comum”.

“Esta é uma lista composta por pessoas que querem, acima de tudo, servir a nossa Região e que está profundamente empenhada e motivada para trabalhar a favor dos Açores e de todos os açorianos”, assegurou.

Paulo Moniz garantiu que os candidatos da coligação PSD/CDS-PP/PPM “têm a plena consciência de que primeiro estará sempre a defesa das causas de cada uma das nossas nove ilhas e primeiro estarão sempre os Açores”.

“Francisco Pimentel, Ilídia Quadrado, Eunice Sousa, Emanuel Sousa, Judite Simas, Daniel Lima, Ana Catarina Silveira, João Mendonça e Ricardo Vieira formam uma excelente lista de candidatos, a qual tenho a honra de encabeçar, nesta recandidatura que encaro não só com o maior sentido de responsabilidade, mas com o mesmo rigor de sempre, porque me cabe honrar sempre a bandeira que trago, no coração e ao peito, que são os Açores”, disse.

O cabeça de lista da AD/Aliança Democrática lembrou que, nos últimos seis anos de governação socialista da República, “as grandes questões da competência do Estado para os Açores foram sempre adiadas e, nos últimos dois anos, não podendo adiar muito mais, as pronúncias sobre as mesmas pelo Governo da República revelaram sempre centralismo, autoritarismo ou um profundo descaso”.

“A próxima legislatura, no que diz diretamente respeito aos Açores, será bastante exigente para corrigir todas estas lacunas e matérias que ficaram pendentes, e das quais não abdicaremos, da mesma forma que não abdicaremos de tratar matérias como a revisão da lei de finanças regionais ou a revisão constitucional”, afirmou.

A sessão de apresentação dos candidatos da AD/Aliança Democrática às eleições legislativas nacionais de 30 de janeiro contou com a presença dos líderes do PSD/Açores, José Manuel Bolieiro, do CDS-PP/Açores, Artur Lima, e do PPM/Açores, Paulo Estevão.