Orçamento para 2022. Governo aposta na prevenção das dependências e comportamentos aditivos

O deputado do PSD/Açores Luís Soares congratulou ontem o executivo regional “pela aposta clara na prevenção das dependências e comportamentos aditivos”, reconhecendo que “são problemas graves e é preciso recuperar o tempo perdido com políticas inconsequentes a esse nível”, referiu.

“É com satisfação que verificamos que este governo, esta Secretaria da Saúde e este Secretário, têm consciência da verdadeira dimensão e do impacto social negativo provocado pelas dependências e os comportamentos aditivos”, frisou o social democrata,

Para Luís Soares, “mais do que criar uma direção regional e por consequência nomear um diretor regional, exigia-se um plano e uma estratégia, com ferramentas para combater de forma firme e determinada o consumo de estupefacientes e substâncias psicotrópicas, pois esse é há muito um dos principais fatores geradores de destabilização das famílias e da sociedade nos Açores”, lembrou.

O deputado recordou também que, segundo um estudo do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e Dependências (SICAD), de 2019, “os jovens açorianos são mais propensos à utilização de drogas que os do restante país, a que se juntam dados que concluem que os nossos jovens são os maiores consumidores de drogas, tabaco e álcool, com 17,3% a ter respondido – nesse mesmo estudo – que já consumiu droga ao longo da vida”.

Segundo Luís Soares, “esta é uma luta nossa”, cabendo-nos “criar as condições para inverter os números que nos fazem corar, e que estão em grande parte associados ao fenómeno das drogas, como o abandono escolar precoce, o insucesso escolar e a criminalidade, entre outros comportamentos desviantes”.

No Plano e Orçamento para 2022, “como já havia acontecido em 2021, os montantes para o combate às dependências não darão para tudo o que é preciso ser feito, mas são bem mais do que constava nos planos de 2018 ou 2019. Estamos certamente no bom caminho”, concluiu.