Bolieiro afirma que Autonomia é “resposta definitiva” para desenvolvimento dos Açores

O Presidente do Governo Regional, José Manuel Bolieiro, considerou, na celebração do Dia dos Açores, que a Autonomia é a “resposta definitiva” para o desenvolvimento do arquipélago e o bem-estar dos açorianos.

“É confiando nos Açores, nos açorianos e na açorianidade que avançamos destemidos no futuro. Queremos para os Açores um verdadeiro desenvolvimento, mais consistente e mais consequente”, afirmou o chefe do Executivo, que falava na sessão solene do Dia da Região Autónoma dos Açores, que decorreu no Parlamento.

Para José Manuel Bolieiro, o atual momento, marcado pela pandemia da COVID-19, é “difícil e desafiante”, o que exige uns Açores “ainda mais fortes”.

“São precisos uns Açores mais fortes na nossa unidade e na vontade de vencer. Mais fortes na esperança de superar as dificuldades. Mais fortes na esperança de aproveitar as oportunidades da ciência e das novas tecnologias de investigação e desenvolvimento, associadas à nossa centralidade, à nossa grandeza e enorme potencial ligado ao Espaço e ao Mar”, disse.

Segundo o Presidente do Governo, “pode não ser para o curto prazo, mas é com vistas largas que se alcança o horizonte e o longo prazo”.

“É antecipando a partida que se chega mais cedo. É não cedendo aos ‘velhos do restelo’ que se conquistam inovadoras oportunidades”, referiu.

José Manuel Bolieiro aproveitou a ocasião para deixar um “especial cumprimento e um cordial agradecimento a todos os profissionais, empresas e autoridades que têm estado na linha da frente do combate à pandemia, desde o primeiro dia a trabalhar para que a vida seja o mais normal possível, a combater e a prevenir a doença, a tratar dos doentes e a cuidar dos mais frágeis”.

O chefe do Executivo admitiu que o combate à pandemia tem representado “um constante desgaste de famílias, de profissionais, de atividades económicas e de empresas, de meios e de recursos”, mas sublinhou que, “apesar de tudo e do cansaço de todos, o comportamento cívico, social e económico tem sido meritório e resiliente”.

“As dificuldades não nos devem dividir. Divididos tudo fica ainda mais difícil. Os bairrismos não são a resposta a nenhum problema. Os bairrismos são um problema. Autonomia e unidade são sinónimos”, defendeu.

O Presidente do Governo destacou que o processo de vacinação “é e vai ser o caminho” para a “retoma de liberdade”, estando tudo a ser feito para “vacinar, vacinar e vacinar” os açorianos.

“A velocidade do processo da vacinação depende primeiro da existência de vacinas e não dependerá só do Governo, nem da capacidade do Serviço Regional de Saúde. Estamos a fazer tudo para acelerar a vacinação e, por ela, alcançar, rapidamente, elevado nível de imunidade comunitária”, disse.