Bolieiro apela aos eleitores que querem mudança que “passem das palavras aos atos”

O candidato do PSD/Açores a Presidente do Governo apelou aos eleitores açorianos que querem uma mudança na governação que “passem das palavras aos atos”, votando nos social-democratas a 25 de outubro.

“As pessoas que contactam connosco reconhecem a importância da mudança. Fica, por isso, o meu apelo: que das palavras se passe aos atos e que no dia da votação haja mudança”, afirmou José Manuel Bolieiro, em declarações aos jornalistas, numa ação de campanha na Ribeira Grande.

O líder social-democrata salientou que o PSD/Açores apresenta “um projeto credível” aos eleitores e que constitui “uma alternativa que oferece uma mudança para melhor”.

“A vontade do povo é soberana. Mas posso dar a garantia aos açorianos que o nosso projeto é uma mudança para melhor. Espero agora que as pessoas deem a garantia à alternativa que o PSD representa para que se cumpra a alternância democrática”, sublinhou.

José Manuel Bolieiro, que esteve acompanhado pelo eurodeputado do PSD Paulo Rangel, visitou também a Associação Agrícola de São Miguel, onde reuniu com a direção, e a Universidade dos Açores, onde foi recebido pelo reitor.

“Estando aqui o eurodeputado Paulo Rangel, fica aqui a firme certeza de um bom entendimento e definição de prioridades para a defesa dos interesses dos Açores na União Europeia, que é cada vez mais decisiva no nosso desenvolvimento”, frisou.

Questionado pelos jornalistas sobre as críticas de Vasco Cordeiro, presidente do PS/Açores, às propostas dos social-democratas, José Manuel Bolieiro referiu que tal atitude é própria de quem tem um “vazio de propostas”.

“Quem tem um vazio de propostas está limitado na sua capacidade de apreciação das propostas dos outros. Tentar denegrir as propostas do PSD é, sobretudo, uma revelação de quem não tem capacidade de apresentar coisas novas”, disse.

Para José Manuel Bolieiro, as críticas de Vasco Cordeiro revelam que o PS “não tem ideias”, pois procura “menorizar sem razão as propostas alternativas que o PSD apresenta, que estão bem fundamentadas e incomodam pela sua capacidade inovadora”.

“O doutor Vasco Cordeiro não é apenas candidato, é recandidato. Tem responsabilidades pelo presente e, sobretudo, tem muitas responsabilidades pelo passado. E, por isso, o estado da Região que temos hoje é de muitos insucessos, pela incapacidade de renovação e inovação”, afirmou.