Habitação. PSD relembra esforço da Câmara da Ribeira Grande para desbloquear impasse

A Comissão Política Concelhia do PSD da Ribeira Grande relembrou o esforço da Câmara Municipal para desbloquear o impasse em torno do empreendimento habitacional em Trás-os-Mosteiros, na freguesia da Matriz, e lamentou que o PS local nada tenha feito para resolver o assunto.

“O PSD relembra todos os esforços desenvolvidos pela Câmara Municipal da Ribeira Grande, presidida por Alexandre Gaudêncio, na tentativa de desbloquear este assunto, nomeadamente os vários encontros com os responsáveis do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana e com a Direção Regional de Habitação, para que dentro das suas competências resolvessem o problema. O que fez o PS da Ribeira Grande? Nada”, referiram os social-democratas.

Segundo a Comissão Política Concelhia do PSD, presidida por Jaime Vieira, “é surpreendente verificar que para o Partido Socialista na Ribeira Grande tudo serve para fazer prova de vida”.

“Esta estrutura política concelhia do PS, que nada fez para desbloquear a situação, mesmo quando era responsável pela autarquia, vem agora pendurar-se numa decisão governativa procurando ludibriar os ribeiragrandenses e justificar a sua incompetência e inação”, afirmaram.

Os social-democratas recordaram também que a própria Câmara Municipal da Ribeira Grande “já manifestou disponibilidade para avançar com a requalificação e arranjo dos arruamentos onde se situam estes prédios, contribuindo assim para a dignificação do local”.

“Os ribeiragrandenses conhecem a diferença entre falar e fazer. Por isso escolheram inequivocamente quem sabe fazer e quem contribui para a respetiva qualidade de vida, quando votaram massivamente em Alexandre Gaudêncio e no PSD para governar a Câmara Municipal da Ribeira Grande”, sublinharam.

A Comissão Política Concelhia do PSD da Ribeira Grande considerou como “positivo” o facto de o Governo Regional “finalmente ter adquirido o empreendimento habitacional em Trás-os-Mosteiros, na freguesia Matriz, com vista à sua conclusão e consequente atribuição em regime de arrendamento acessível”.

“Como é público, a necessidade de habitação para famílias mais desfavorecidas e casais jovens é uma situação que urge resolver, cabendo neste desígnio grande responsabilidade ao Governo Regional dos Açores”, concluíram os social-democratas.