José Manuel Bolieiro propõe o Dia dos Açores como data simbólica para retomar ligações aéreas interilhas

O presidente do PSD/Açores propôs ontem o Dia dos Açores (1 de junho) como “a data simbólica para serem retomadas as ligações aéreas interilhas no arquipélago”, salvaguardando “a garantia de todas as medidas de segurança para que isso aconteça”, sugeriu.

Segundo José Manuel Bolieiro, “acautelando a proteção dos passageiros, e com regras definidas, o regresso à atividade da SATA Air Açores será uma manifestação de grande confiança”, defendeu, lembrando que aquela data “celebra o Espírito Santo, uma entidade que une os açorianos, o que reforçaria o simbolismo da medida”, avançou.

O líder social democrata falava no encerramento da quarta sessão do Congresso da Sociedade, em que foi debatido o futuro de São Jorge, ouvindo as opiniões e propostas dos cidadãos da ilha, onde frisou que “temos de substituir o medo pela confiança”, afirmou.

“Tem de ser encontrado o equilíbrio entre a economia e a vivência social”, frisou, quando “já foi aplanada a curva do índice de contágio da Covid-19, sendo preciso fazer conviver os meios de proteção com o risco inerente que a pandemia nos apresenta”, disse.

Bolieiro acredita que pode haver assim “uma luz sobre a unidade do arquipélago, mesmo que haja diferentes tratamentos em termos de segurança, que se justificam pelo estado diferente que cada ilha viveu nestes meses”, adiantou.

O presidente do PSD/Açores destacou a capacidade dos jorgenses, cuja ilha mostra um histórico de grande potencial no mercado regional, “que pode e deve ser reforçado”.

“A excelência dos seus produtos, nomeadamente o seu queijo, que pode valer muito mais, não pela quantidade, mas pela qualidade e pela inovação”, realçou o líder do partido, apostado em “definir estratégias, através das análises swat, mas também identificando as dificuldades para poder ter soluções”.

Dentro dessas, falou da importância das acessibilidades para integrar uma ilha e a sua sociedade num todo, “e São Jorge tem razões de queixa válidas a esse nível, pois o que acontece atualmente é um constrangimento que urge combater”, defendeu.

Também o despovoamento e o envelhecimento da população, “obrigam-nos a oferecer uma qualidade de vida que envolva os cuidados de saúde com um elevado padrão, e feito à semelhança das outras ilhas”.

Assim como “fixar a juventude na ilha é urgente, passando por potenciar a educação e a formação como fatores de inovação e futura criação de riqueza, também através de um ensino profissional pujante”, acredta.

José Manuel Bolieiro quer “potenciar a governabilidade regional, juntando-a ao poder local e ao empreendedorismo que existe nos Açores, pois só essa união vai alavancar a nossa economia”

“Depois do desenvolvimento harmónico dos princípios da Autonomia, deve haver um desenvolvimento dignificante para cada ilha”, afirmou o líder do PSD/Açores, que agradeceu a disponibilidade, a coragem e o empenhamento cívico dos vários convidados daquela iniciativa do partido.A sessão de ontem teve três oradores, sendo um deles Vítor Bernardes, presidente do Conselho Executivo da Escola Básica e Secundária de Velas, que sublinhou “a perda de habitantes – 22 no último ano – da ilha” como fator de preocupação, fazendo a defesa do queijo de São Jorge “como produto de excelência, cuja comercialização deve ser repensada”.

Na vertente do turismo, apontou “algumas carências na prestação de serviços, que tende a melhorar”, e alertou para “os problemas das acessibilidades, que prejudicam a ilha”, continuando esta “a ser um destino caro, também por isso”.

Maria dos Santos Silva, enfermeira-chefe do Centro de Saúde de Velas, focou a necessidade “de medidas específicas para combater o envelhecimento da população”, ao mesmo tempo que alertou “para o rombo provocado na economia pelo surto mundial da Covid-19”, defendendo que “o desconfinamento deve ser agora urgente, mas sempre precavendo as medidas de segurança”.

Já Pedro Serôdio, empresário de construção civil e obras públicas, destacou “a oferta turística única de São Jorge”, mesmo se “falta explorar de forma clara as potencialidades do Triângulo, cuja atividade devia assentar em parcerias entre os empresários da São Jorge, Pico e Faial, com pacotes conjuntos, lucrando com isso as três ilhas”

Disse ainda que “é muito preocupante, para o turismo local, que se vai seguir à pandemia é muito preocupante”, mas também apelou “ao desconfinamento, de modo a relançar a economia, porque o trabalho em termos de prevenção já está feito e foi bem feito”, considerou.A moderação desta edição do evento ficou a cargo do jornalista Milton Dias, da RTP/Açores.
À semelhança das anteriores, a sessão relativa à ilha de São Jorge teve transmissão em simultâneo no site do partido e na página do Congresso da Sociedade no Facebook.
O Congresso da Sociedade, coordenado por Sofia Ribeiro, é uma iniciativa criada para ouvir e valorizar o contributo individual dos açorianos para o futuro coletivo da Região.
Terá sessões relativas a todas as ilhas do arquipélago, sendo realizado em formato digital, por videoconferência, na sequência das restrições resultantes da pandemia da Covid-19.