Agricultura. Governo Regional não reconhece problema real que o setor atravessa

O deputado do PSD/Açores António Almeida considerou hoje que o Governo Regional “não quer reconhecer o problema real que o setor agrícola atravessa no arquipélago”, criticando “uma passividade da tutela que não podemos aceitar”, referiu.

O social democrata falava após ser rejeitada em plenário uma proposta “com 13 recomendações, contendo medidas para todas as ilhas dos Açores, resultantes do diálogo direto com os produtores, tendo aplicação aos setores do leite, dos bovinos para produção de carne, aos horticultores, aos fruticultores, aos floricultores, aos apicultores e aos produtores florestais”, explicou.

“É necessária uma intervenção emergente na agricultura dos Açores”, referiu António Almeida, sublinhando que os profissionais do setor “se mantêm ativos, produzindo na incerteza das vendas e dos preços, mas ao lado das suas famílias e da economia regional”.

O parlamentar frisou que o PSD/Açores percebeu, desde logo, “que a pandemia da Covid-19 teria impactos no rendimento dos agricultores e na competitividade das agroindústrias da Região, face ao comportamento dos mercados”, avançou.

“Apesar dos nossos avisos, espantou-nos a passividade do senhor Secretário da Agricultura e Florestas, que insistiu em não antecipar qualquer intervenção no leite e na carne”, face a uma situação de pandemia “onde houve um aumento das produções agrícolas, pecuárias e florestais, sem o proporcional aumento do rendimento disponível das explorações”, disse.

“Continuamos a alertar para a redução do rendimento dos produtores, de forma persistente, sem que os custos de produção tenham diminuído”, afirmou António Almeida

“Fizemos uma proposta construtiva, indo ao encontro das solicitações urgentes dos agricultores e das suas organizações”, reforçou António Almeida, para quem

o Secretário da Agricultura “não soube interpretar o que estava em causa em todo este processo, agindo no sentido inverso do que precisa o setor”.

“A nossa iniciativa visava igualmente o diálogo que tem de existir entre o Governo dos Açores, o Governo da República e a União Europeia, ajustando as necessidades de resposta rápida aos impactos da pandemia na agricultura e na agroindústria regionais. Infelizmente, isso continua a não acontecer”, lamentou o deputado do PSD/Açores.

António Almeida concluiu, fazendo votos para que “todas organizações representativas do setor olhem para a situação emergente da nossa agricultura, sem descuidar o empenho na defesa de outras políticas de reestruturação e de valorização do rendimento dos produtores, ao encontro de um novo rumo para o mundo rural açoriano”.