Santa Maria. PSD defende melhores acessibilidades em prol do desenvolvimento local

A deputada do PSD/Açores, Elisa Sousa, considerou hoje que o Governo Regional “deve garantir melhores acessibilidades para Santa Maria”, defendendo que “o aumento do numero de lugares disponíveis nos voos é essencial para o desenvolvimento da ilha”, considerou.

A social democrata disse que “é preciso assegurar lugares disponíveis nos aviões para quem quer visitar Santa Maria”, lembrando que, “apesar da preocupação do governo em aumentar anualmente o número de voos no Verão IATA, o certo é que o número de lugares continua a ficar aquém das necessidades”, afirmou.

A deputada mariense avançou que, “em 2018 houve mais de 50 voos extraordinários para Santa Maria. Mas quem quer visitar os Açores não o faz na esperança da abertura de um voo extraordinário”, pelo que “não havendo lugares disponíveis nas datas pretendidas se opta por outros destinos”, explicou.

A parlamentar defende “melhores acessibilidades aéreas e marítimas, assim como a disponibilização atempada dos serviços de apoio às zonas balneares”, exemplificando com “a sua abertura tardia nas Baías de São Lourenço e Maia, situação que condiciona o necessário alargamento da época turística local”, sublinhou.

Sobre a mesma temática, Elisa Sousa lembrou que, ainda recentemente, “a bancada socialista no Parlamento chumbou a nossa proposta para um projeto de proteção da orla costeira. Isto quando assistimos ao aumento de pontos de erosão, que colocam em perigo pessoas e bens, como acontece na Baía da Praia Formosa, a principal zona balnear da ilha” aponta.

A deputada disse igualmente que é “urgente apostar na formação de ativos na hotelaria, de modo a que se consiga uma oferta de maior qualidade, numa ação que deve ser articulada com os empresários marienses, para corresponder às suas necessidades e expectativas”.

Elisa Sousa reforçou ainda “a importância da criação de um Porto alternativo ao Porto de Vila do Porto”, como o PSD já propôs, “que possa servir como cais de acostagem para as empresas marítimo-turísticas, porto de Recreio e porto de Pescas com condições de operacionalidade. Nesse âmbito, é precisa a instalação da prometida sala de processamento de pescado individualizada do restante Edifício do Entreposto Frigorifico”, concluiu.