Termas do Varadouro: um exemplo de como se puxa o Faial para baixo – Opinião de Luís Garcia

  1. Hoje, para descanso de alguns, não escreverei sobre acessibilidades ou sobre o aeroporto (não porque infelizmente não existam razões para tal!) mas, em semana das Festas do Varadouro, decidi abordar a requalificação das Termas ali situadas. Quem se deslocar ao recinto principal onde decorrerão aquelas festas verificará, em mais um ano, o estado de abandono das Termas do Varadouro e não deixará de se interrogar sobre as razões desta triste realidade. Creio que todos seremos unânimes em considerar que é incompreensível e mesmo imperdoável que não se aproveite aquele recurso natural para qualificar a nossa oferta turística e potenciar o nosso desenvolvimento. Para mais numa Região em que os seus governantes afirmam que o turismo de saúde e bem-estar é uma prioridade. Infelizmente, isso não é verdade para o Faial!
  2. A prometida requalificação das Termas do Varadouro é mais um investimento reprodutivo que na nossa ilha tem sido vítima de sucessivos adiamentos e de um enorme rol de promessas que nunca foram cumpridas. Recordemos que já no longínquo ano de 1999 o Governo tornava público que tinha mandado “elaborar o projeto de reabilitação das Termas do Varadouro, a fim de dotar esta estrutura das condições necessárias ao seu aproveitamento em atividades ligadas à terapia termal, à talassoterapia e ao lazer”. Vinte anos depois nada foi feito!
  3. Mas tão ou mais grave do que o enorme rol de enganos que rodeia este investimento, foi e é a dualidade de critérios desta governação que perante investimentos semelhantes atuou de forma diferente de ilha para ilha. Recorde-se que, em junho de 2007, o Governo decidiu encarregar a sociedade “Ilhas de Valor, SA” de promover e desenvolver os investimentos previstos para os projetos termais do Carapacho (Graciosa) e da Ferraria (S. Miguel), há muito concluídos; enquanto as Termas do Varadouro, ficaram de fora, esquecidas e adiadas à espera de privados interessados que tardam em aparecer.

O que esta governação até hoje ainda não foi capaz de explicar aos Faialenses é porque é que em S. Miguel e na Graciosa fez os investimentos termais na totalidade através da sociedade “Ilhas de Valor, SA” e no Faial têm de ser os privados a fazê-lo? Qual a diferença deste investimento que justifica uma modalidade diferente no Faial que discrimina esta ilha e os seus empresários?

Nada tenho nada contra a participação dos privados, mas o que não aceito é que perante investimentos iguais, em ilhas diferentes, o governo da minha Região tenha critérios e atuações distintas. O que se exige é que o Governo corrija esta discriminação e atue da mesma forma, ou seja, efetue o investimento de requalificação das nossas Termas e que depois as concessione à exploração privada. Assim é que seria tratar todas as ilhas por igual!

Ou, por outro lado, se há efetivamente privados interessados em fazer o investimento inicial que apareçam e o concretizem. É que também neste processo o que não tem faltado nas Termas do Varadouro são anúncios periódicos de empresários interessados que aparecem cirurgicamente na véspera de eleições e depois se eclipsam como que por magia…

  1. Pelo meio deste tortuoso percurso, as Termas ainda foram mudando de proprietário. Em novembro de 2011, o Governo cedeu-as à Câmara da Horta, apenas dois meses depois desistiu desta cedência e entregou-as à SPRHI – Sociedade de Promoção e Reabilitação de Habitação e Infraestruturas, SA e agora, com a extinção desta, passou-as para a Direção Regional do Turismo, cuja atuação se desconhece.
  2. A verdade é que passados 20 anos da promessa desta governação, as Termas do Varadouro continuam por requalificar penalizando e discriminando a nossa ilha. Isso sim é que é puxar o Faial para baixo para usar a narrativa tão querida dos socialistas do Faial. Por exemplo, o Presidente da Câmara da Horta que a todos os que criticam a falta de investimento e exigem o cumprimento das promessas feitas aos faialenses rotula de puxarem o Faial para baixo, como classificará a atuação destes seus camaradas que em relação às Termas, há mais de 20 anos, nos enganam? Esses é que objetivamente puxam o Faial para baixo, mas a esses o Presidente da Câmara nada diz. Porque que será?