Air Center. António Ventura acusa República de silêncio comprometedor

O deputado do PSD/Açores na Assembleia da República, António Ventura, acusou hoje o governo de António Costa de “continuar sem dar respostas concretas sobre os benefícios para a Terceira e para a Região da criação do Air Center”, numa postura que classifica como “um silêncio comprometedor, que já dura há quase 3 anos”, afirmou.

O social democrata, que se recandidata a novo mandato, lembra que, em dezembro de 2016, “os Deputados do PSD na Assembleia da República, questionaram, por escrito, o Ministro da Ciência e o Ministro dos Negócios Estrangeiros sobre o Air Center, para saber que ilhas dos Açores iam ser envolvidas no projeto, tendo em conta as infraestruturas existentes e a construir. Quisemos também saber quanto postos de trabalho se previam criar e qual o contributo estimado para o PIB regional”, recorda.

“Passados cerca de três anos, ainda não obtivemos resposta. O Ministro dos Negócios Estrangeiros remeteu as respostas para o Ministro da Ciência, e este manteve-se calado até ao momento”, diz António Ventura.

“Importa recordar que o Air Center foi anunciado para fazer face à quebra na economia da Terceira e dos Açores que a diminuição da presença das forças norte-americanas na Base das Lajes provocou. Uma quebra estimada em 100 milhões de euros por ano”, sublinha.

“Porém, por este projeto, a Universidade do Minho recebeu um supercomputador. E existem agora anúncios recentes do governo regional sobre a abertura de dois pólos do Air Center no Brasil”, acrescenta.

“A questão é saber dos benefícios para a Terceira e os Açores. Onde estão?”, questiona o deputado.

“Anúncios e mais anúncios e parece que só fora da Região é que outros beneficiam”, critica Ventura.

O deputado diz ainda que o Governo da República deve, “antes do fim da legislatura, responder às questões colocadas. mesmo se já incorreu num grave desrespeito à Assembleia da República, pela falta de comunicação”.

“Esta omissão é um ato claro de que, e avaliando os factos, nada de substancial vai acontecer nos Açores, a este respeito”, conclui o social democrata.