Agroalimentos. António Ventura alerta para a defesa dos produtos açorianos

O deputado do PSD/Açores na Assembleia da República, António Ventura, alertou para a necessidade “de defesa dos produtos agroalimentares açorianos, uma ação que pode agora ser feita através da contratação pública na sua compra, uma vez que a pegada ecológica já um fator essencial para esse efeito”.

O social-democrata falava após uma reunião como o Grupo de Trabalho de Agricultura e Produção Animal da Universidade dos Açores, onde referiu que, na passada sexta feira, foi aprovado na Assembleia da República, um projeto de resolução “que recomenda ao Governo considerar a Pegada Ecológica dos alimentos nos contratos públicos como um fator essencial para a sua compra”, adiantaram.

“Isso vai permitir uma valorização económica, social e ambiental dos produtos alimentares com origem nos Açores”, pois “sempre que forem adquiridos alimentos para escolas, hospitais, lares de idosos, entre outros, o preço deixará de ser o fator principal, passando a haver um reconhecimento da qualidade e da produção com proximidade, como é a dos produtos dos Açores”, explica.

O deputado do PSD diz mesmo que, “é preciso agir para que a qualidade dos agroalimentos açorianos seja, efetivamente, reconhecida. É uma excelência que tem de se traduzir em riqueza e criação de emprego para a Região, e este será um importante passo nesse sentido”, garantiu.

“Esperamos agora que o governo regional aproveite esta oportunidade para desenvolver a nossa produção agroalimentar com outra atenção e eficácia”, frisou.

António Ventura lembrou igualmente que, há cerca de dois anos, foi aprovada uma iniciativa do PSD, “para que o governo da república, em conjugação com o governo regional, procurasse novos mercados para os produtos agroalimentares açorianos”.

“Tratava-se de um plano para a internacionalização dos nossos agroalimentos”, recorda, querendo saber se, “efetivamente, este plano existe, e onde estão as suas ações e medidas”, adianta.

“Queremos informações sobre essa iniciativa, porque os Açores merecem um plano próprio”, acrescenta, referindo que “não podemos esquecer que a nossa agropecuária representa cerca de 32% da produção de leite nacional e 50% do queijo. E aproximadamente 80% da produção açoriana de lácteos é expedida, principalmente, para o continente português”, concluiu.