Azedo – Opinião de João Bruto da Costa

Em fevereiro de 2016, realizou-se o II fórum do leite dos Açores que serviu para mais uma demonstração de política pública de faz-de-conta em ano eleitoral, onde foi anunciado um compromisso com vários objetivos, como a procura de novos mercados e uma inevitável concretização do estafado lema: “agora é que vai ser”.

Os resultados ninguém conhece, ou melhor, não existem, e a crise do leite agudiza-se sem fim à vista.

Outro anúncio feito na ocasião, foi de que o Governo solicitou “à equipa do Professor Francisco Avillez, ‘special adviser’ do Comissário Europeu para a Agricultura, o desenvolvimento de um trabalho que permita, em complemento à informação oficial, “analisar o que se produz, quanto, a sua evolução recente, com que custos e qual a rentabilidade” das explorações agrícolas açorianas”.

Se o estudo foi feito, e acreditamos que sim, o Governo não o tornou público e estará arrumado na gaveta dos “estudos que não convém divulgar”.

Entretanto o leite vai azedando e, tal como o Governo, só servirá para um subproduto de menor qualidade.