COFACO/Pico: Deputados do PSD questionam República sobre apoios sociais a ex-trabalhadores

Os deputados do PSD/Açores na Assembleia da República, Berta Cabral e António Ventura, questionaram o Governo sobre o ponto de situação das disposições aprovadas – por unanimidade – em julho passado, e publicadas em agosto, “que visavam instituir um regime especial de apoios sociais para os ex-trabalhadores da fábrica da COFACO na Ilha do Pico”, querendo saber “qual o prazo previsto para a aprovação e entrada em vigor das referidas disposições”, adiantaram.

Os social-democratas sublinham que o encerramento da COFACO e a extinção de 180 postos de trabalho “significam um impacto na economia da Ilha do Pico, que tem cerca 14 mil habitantes, equivalente ao impacto da redução de cerca de 400 trabalhadores civis da Base das Lajes na economia da Ilha Terceira, que conta com uma população de 55 mil pessoas”.

Os parlamentares lembram que, “este mesmo plenário criou um programa especial de apoio social para a Terceira, na sequência da referida redução de efetivos, pelo que não há razão para que o Governo não tome idêntica medida para o Pico, face ao encerramento da COFACO e ao já referido impacto na economia local”, defendem.

A iniciativa aprovada visa a criação de um regime especial e transitório de facilitação de acesso, majoração de valor e prolongamento de duração de apoios sociais a quem se encontre em situação de desemprego nos 3 concelhos da Ilha do Pico e a todos os ex-trabalhadores da fábrica COFACO.

Berta Cabral e António Lentura lembram que a COFACO é uma empresa presente no Pico “desde 1963, e foi sempre o maior empregador privado naquela ilha, garantindo empregos a cerca de 4% da respetiva população ativa. O seu encerramento implicou, como já referimos, a extinção de cerca de 180 postos de trabalho direto, na sua maioria ocupados por mão de obra feminina e o desaparecimento de muitos outros postos de trabalho indiretos, em particular em empresas fornecedoras de bens e serviços”, concluem.