Governo esconde taxas de ocupação da rota Lajes-Porto da Azores Airlines

Mónica Seidi acusa o Governo regional de esconder aos terceirenses as taxas de ocupação da rota Lajes-Porto da Azores Airlines e de fugir às suas responsabilidades por recusar travar a decisão da companhia aérea açoriana de abandonar esta rota semanal.

Segundo a deputada do PSD/Açores, “tanto o Governo regional como a SATA, empresa pública tutelada pelo Governo, alegaram baixas taxas de ocupação da rota Lajes-Porto para justificar o fim da mesma, mas a verdade é que quer o Governo, quer a SATA ainda não tornaram públicas estas taxas de ocupação que, alegadamente, justificam tal decisão”.

O grupo parlamentar social-democrata, lembra Mónica Seidi, requereu ao executivo açoriano, a 14 de julho, através de requerimento entregue no parlamento açoriano, os dados relativos ao número de passageiros transportados mensalmente pela SATA na ligação direta entre as Lajes e o Porto desde o início da rota, em 2014.

“O Governo dispõe de 60 dias para enviar esta resposta ao parlamento, mas a verdade é que, passados dois meses, os dados solicitados pelo PSD/Açores não foram enviados. Além de desrespeitar o parlamento, o Governo nega o acesso a uma informação essencial para compreender esta decisão que tem implicações na economia da Terceira”, explica.

Mónica Seidi considera também “lamentável” que a SATA tenha “andado a jogar às escondidas com os terceirenses” ao não assumir a sua intenção de abandonar essa rota, numa decisão que se traduz em graves prejuízos para a mobilidade dos terceirenses e dos açorianos”.

No requerimento entregue em julho, os deputados do PSD/Açores eleitos pela Terceira questionaram ainda o Governo dos Açores relativamente às alternativas que a SATA e o Governo tem para os terceirenses e para todos os açorianos servidos pela gateway Lajes.

Além disso, os deputados salientam que “esta decisão da transportadora aérea açoriana com a cobertura do Governo põe em causa o compromisso assumido pelo executivo no Eixo 8 do Plano de Revitalização Económica da Ilha Terceira (PREIT)”, desenhado para fazer face ao impacto na ilha da redução do efetivo norte-americano na Base das Lajes.