Gestão da Saúde nos Açores prejudica fortemente ilhas sem Hospital

O PSD/Açores criticou hoje o Governo Regional pela alteração nas regras de deslocação de médicos especialistas às ilhas sem hospital, “levadas a cabo em janeiro de 2014, quando acabaram os incentivos à sua deslocação aos respectivos centros de saúde. À conta dessa decisão, houve um corte drástico na deslocação de médicos especialistas a Santa Maria, São Jorge, Pico, Graciosa, Flores e Corvo”, disse o deputado João Bruto da Costa.

Numa conferência de imprensa conjunta de deputados do PSD/Açores eleitos por ilhas sem Hospital, o social democrata, referiu que dezenas de milhares de consultas “ficaram por fazer nas ilhas, e milhares de açorianos viram dificultado o acesso a cuidados de saúde. A sua qualidade de vida de foi seriamente prejudicada pelos cortes do governo regional do PS no sector da saúde”, afirmou.

Segundo João Bruto da Costa, “foi precisamente nas ilhas que têm vindo a perder população que o governo do PS retirou aos pais a possibilidade dos seus filhos serem vistos por pediatras do Serviço Regional de Saúde. Em Santa Maria, Graciosa e Flores não há uma consulta de pediatria há mais de dois anos”, disse o deputado.

“Foi também este governo que acabou com a deslocação de especialistas, por exemplo, em cirurgia vascular às ilhas das Flores, Pico, Graciosa e Santa Maria e fisiatria e reumatologia em São Jorge”.

“São exemplos sem margem para dúvidas. Nos últimos quatro anos ficámos pior. E graças ao governo mais fraco da história da Autonomia, os açorianos das ilhas sem hospital perderam o acesso a especialistas, tudo ficou mais caro e mais distante”, avançou João Bruto da Costa.

O deputado frisou ser “tempo de acabar com os critérios economicistas, que provocaram o maior ataque ao Serviço Regional de Saúde em 40 anos de Autonomia”, sendo que, “a partir de outubro, com um governo liderado por Duarte Freitas, a Saúde voltará a ser uma prioridade”.

“Um governo do PSD/Açores irá repor de imediato a deslocação de especialistas às ilhas sem hospital, evitando assim a deslocação dos doentes da sua ilha de residência”, garantiu o parlamentar.

O social democrata criticou que, “por ação deste governo, os açorianos que vivem nas ilhas sem hospital sejam diariamente confrontados com a impossibilidade de ter acesso a consultas de especialidade no seu centro de saúde. Esperam meses e meses por uma deslocação ao hospital, com todos os riscos que essa demora acarreta para a sua saúde”.

E acrescentou que “um doente deslocado é também um cidadão prejudicado na sua vida profissional quando perde vários dias de trabalho. Além de que diminuíram os apoios aos acompanhantes e diminuíram os apoios ao transporte terrestre de doentes deslocados”.

“A visão economicista deste governo regional está a sacrificar a qualidade dos cuidados de saúde nas ilhas sem hospital”, afirmou.

João Bruto da Costa concluiu, dizendo que, a partir de outubro, “com um novo governo, vamos trabalhar em conjunto com todos os profissionais do setor em favor do maior bem que existe: a Saúde dos açorianos”.