Isolamento – Opinião de João Bruto da Costa
Publicado em 07 de Abril, 2019

É recorrente os graciosenses “cramarem” por causa dos transportes.

Ao longo dos anos, os cidadãos da ilha Graciosa foram acreditando em promessas de navios novos, melhores ligações com o exterior e condições para levar a vida sem o estigma do isolamento que atrasa o desenvolvimento e gera impotência económica capaz de deitar por terra muitas iniciativas.

Desde ligações aéreas que obrigam uma viagem à Graciosa a significar, muitas vezes, passar-se um dia em viagem para cada lado, passando pela negação de melhores transportes marítimos, com a exclusão da ilha da Linha Lilás, acrescendo as inúmeras vezes que se perdem ligações por horários que não atendem às necessidades da ilha, ou até ao caricato caso de não deixarem passageiros seguir viagem após escala na Terceira, mesmo tratando-se do mesmo avião com ligação à Graciosa.

Queixam-se empresários, desportistas, doentes e todos quantos passam pela experiência de não encontrar alternativas.

São anos de incompreensão para com uma ilha que só pode desenvolver-se se quebrar as barreiras do isolamento.