Gaudêncio reafirma indicação de Mota Amaral para “lugar elegível e cimeiro”
Publicado em 10 de Março, 2019

O presidente do PSD/Açores reafirmou que o partido mantém a indicação de Mota Amaral para ocupar um lugar “elegível e cimeiro” na lista ao Parlamento Europeu, garantindo que a estrutura não indicará mais ninguém caso o nome do histórico militante seja recusado pela direção nacional.

“O PSD/Açores reafirma a indicação do Dr. João Bosco Mota Amaral para integrar, em posição elegível e num lugar cimeiro, a lista do Partido ao Parlamento Europeu. Irei ao Conselho Nacional do partido, que reúne na próxima quarta-feira, para dizer que os Açores não abdicam de um lugar elegível na lista do PSD, tal como acontece há mais de 30 anos”, disse Alexandre Gaudêncio, no final do Conselho Regional do partido.

O líder social-democrata açoriano salientou que, “a manter-se a decisão de relegar os Açores para um lugar não elegível, o PSD/Açores não indicará qualquer nome para a lista nacional do Partido ao Parlamento Europeu”.

“O PSD/Açores considera inaceitável a recusa de incluir o Dr. João Bosco Mota Amaral em lugar de destaque na lista ao Parlamento Europeu. Relembro aqui o que disse ao Dr. Rui Rio a 28 de outubro do ano passado, no nosso Congresso Regional: primeiro estão os Açores e só depois o PSD”, sublinhou.

Alexandre Gaudêncio considerou que “precisamos de um partido e de um líder nacional que valorizem todo o território, não criem divisionismos e sejam verdadeiros amigos das Autonomias”.

“Foi estabelecida, nos últimos 30 anos, a prática de colocar os representantes das Regiões Autónomas em posição elegível na lista do PSD ao Parlamento Europeu. Esta tradição de décadas no PSD tem como fundamento a Autonomia Constitucional dos Açores e da Madeira, instituída sob a liderança política do PSD durante a presidência de Francisco Sá Carneiro”, lembrou.

O líder social-democrata recordou que “os Açores são a única região do país, a par da Madeira, cujas características específicas são reconhecidas em sucessivos tratados da União Europeia” através do estatuto de região ultraperiférica, o que “não acontece com nenhum distrito do continente”.

Alexandre Gaudêncio reafirmou que indicação do PSD/Açores para a lista ao Parlamento Europeu “resultou da forte convicção de que, face ao risco de cortes em fundos comunitários fundamentais para a nossa Região, só uma personalidade com o currículo e prestígio do Dr. João Bosco Mota Amaral pode defender os interesses dos Açores”.

O presidente do PSD/Açores destacou ainda o “apoio inequívoco” do Conselho Regional do partido à posição da Comissão Política Regional nesta matéria.