Fibra ótica. PSD alerta para necessidade de substituição dos cabos submarinos
Publicado em 09 de Março, 2019

Os deputados do PSD/Açores na Assembleia da República, Berta Cabral e António Ventura, confrontaram o Governo da República com o risco da não substituição atempada dos cabos submarinos de fibra ótica que servem os Açores, “que chegarão ao final da sua vida útil em 2023”.

Num conjunto de questões enviadas ao Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, os social-democratas alertam para as graves consequências de qualquer interrupção no tráfico de telecomunicações, dos Açores para o exterior ou interilhas: “Seriam prejuízos incalculáveis e inadmissíveis”, dizem.

Assim, os deputados questionam a tutela sobre o assunto, frisando que se deve, “com a necessária e adequada antecedência, proceder ao estudo e definição do modelo a adotar na substituição dos atuais cabos submarinos”.

“O Governo da República tem de estar ciente da urgência deste projeto e do que pode representar para os Açores qualquer interrupção no tráfico de telecomunicações”, sublinham.

Da mesma forma, Berta Cabral e António Ventura querem conhecer “o projeto técnico que está a ser trabalhado ou equacionado”, bem como “ter informações sobre o modelo de negócio perspetivado”, perguntam.

“É preciso saber que investimentos estão previstos, qual o seu valor estimado, como serão executados e financiados”, avançam os deputados açorianos do PSD.

Os atuais cabos submarinos, que permitem o encaminhamento de todo o tráfico de telecomunicações interilhas e para o exterior dos Açores são propriedade da Altice, através da aquisição da Portugal Telecom.

“Trata-se de um equipamento vital para os Açores de hoje”, dizem Berta Cabral e António Ventura.

Os deputados adiantam que as atuais condições de mercado “são substancialmente diferentes das que existiam à data do lançamento daquelas infraestruturas de comunicação”, pelo que “não deverá ser excluída a possibilidade de ligação a projetos de cabos submarinos intercontinentais”.

“A substituição dos cabos submarinos dos Açores e da Madeira é um assunto nacional, sem prejuízo da necessária articulação com as autoridades regionais”, referem ainda Berta Cabral e António Ventura.