Maravilhas – Opinião de João Bruto da Costa
Publicado em 17 de Setembro, 2018

E lá voltamos ao discurso de que o PS e os Açores vivem um novo ciclo.

Ora este novo ciclo é um pouco estranho, pois é um ciclo que se diz novo mas com as mesmas pessoas nos mesmos lugares a fazer a mesma coisa, há já 22 anos. Até os pobres são em mesmo número há mais de uma década.

É como intervir sem interferir, e não obstante escrever esta crónica antes da realização do Congresso do novo ciclo do PS Açores, aposto que muitas intervenções não interferem em nada com o rumo que as coisas tem levado na governação e no regime instalado nos Açores.

Esta alucinação rosa do ciclo novo de governação lembra o “País das Maravilhas”. Não temos uma Alice, mas temos um Vasco e as personagens são sempre as mesmas e fazem sempre a mesma coisa, da mesma maneira, com os mesmos resultados e, no entanto, intitula-se “País das Maravilhas”.

Dizer que vivemos um novo ciclo após 22 anos de governação com os mesmos protagonistas é tão adequado como celebrar o fim do holocausto com obras de Wagner.