Carochinha – Opinião de João Bruto da Costa
Publicado em 04 de Setembro, 2018

A propósito da pobreza nos Açores, li por aqui que o “trabalho” dos socialistas a partir de 1996 levou à redução de 28 mil rendimentos mínimos para os atuais 18 mil RSI.

A confusão entre o anterior rendimento mínimo – oferecido em inscrições de vão de escada por diligentes caciques como quem oferece rifas em troca de votos – e o atual RSI, instrumento destinado aos mais pobres de entre os pobres, deve ter sido motivada apenas pela questão estética da mensagem do regime vigente.

O mensageiro cumpre dois objetivos: esconde o fracasso dos socialistas a governar a região com mais pobres e mais pobres a trabalhar per capita no país e dá a ideia de que se reduziu quase para metade o número de pobres.

Curioso é que desde que há RSI e as estatísticas remontam a 2004, andaram sempre nos mesmos valores de hoje!

Foi uma década perdida?

Em agosto de 2004 (há 14 anos) registavam-se 3626 beneficiários, em agosto de 2005 eram 14880, e desde 2006 que anda nos 17/18 mil.

As leituras de verão que confundem o leitor são as chamadas “histórias da carochinha”.