Abertura do ano escolar. Comunicado do Grupo Parlamentar do PSD/Açores
Publicado em 17 de Setembro, 2018

Dar prioridade à Educação é pôr o futuro das nossas crianças e jovens em primeiro lugar.

Os Açores só se tornarão uma terra próspera quando tiverem uma população com níveis de Educação muito superiores aos atuais.

Os resultados pouco animadores do sistema educativo nos Açores revelam que o Governo Regional continua sem querer fazer da Educação uma prioridade.

A taxa de abandono escolar precoce nos Açores aumentou face ao ano passado (27,8%), em contraciclo com o Continente (11,9%), representando bem mais do que o dobro da média nacional.

Nos rankings escolares nacionais nenhuma escola açoriana se posiciona nos primeiros cem lugares.

Os maus resultados do sistema educativo regional também persistem em estudos internacionais, já que a nossa Região continua nos últimos lugares do ranking dos estudos PISA, estando cada vez mais distante da média nacional.

Enquanto se mantiverem estes resultados os Açores não terão maior desenvolvimento económico, o emprego precário prevalecerá e a pobreza persistirá.

Estes resultados são muito preocupantes, pois colocam a Região na cauda do país. É urgente uma reflexão sobre o rumo do setor da Educação nos Açores.

Infelizmente, essa é a reflexão que o Governo Regional do Partido Socialista recusa fazer.

O Governo Regional não pode continuar a relegar para último lugar o combate ao insucesso e abandono escolar precoce.

Ao não dar ao setor da Educação a prioridade que este merece, o Governo Regional está a desistir de uma geração de jovens açorianos.

O PSD/Açores não vê estes resultados do sistema educativo como uma fatalidade.

Os alunos e os professores açorianos não são piores do que os alunos e professores do resto do país. É por isso que os Açores precisam de investir numa Educação centrada no aluno, em que os professores desempenham um papel fundamental no processo de formação.

É fundamental reforçar a autonomia das escolas, convertendo o projeto educativo de cada estabelecimento de ensino num plano anual de melhorias de resultados educativos, com objetivos e metas quantificáveis, que possam conduzir a créditos pedagógicos e financeiros em função dos resultados obtidos no seu contexto.

É também necessário valorizar o trabalho de quem ensina, ao invés do que faz o Partido Socialista, que olha para os professores como adversários.