PSD/Açores recomenda “celeridade e transparência” na decisão sobre a venda da Azores Airlines
Publicado em 30 de Julho, 2018

O PSD/Açores recomenda “celeridade e transparência” na decisão sobre a proposta da Icelandair para a compra da Azores Airlines e espera que os interesses da SATA, dos seus trabalhadores e da Região sejam acautelados.

Segundo António Vasco Viveiros, a proposta de aquisição de 49% do capital da Azores Airlines é uma “boa notícia, no contexto em que se encontra a empresa e o Governo regional, particularmente o seu presidente, Vasco Cordeiro, pelas responsabilidades que tem na situação de falência técnica da empresa”.

O deputado e porta-voz do PSD/Açores para a Economia e Finanças alerta que o caderno de encargos para a alienação parcial da empresa “já limitava qualquer expetativa demasiado positiva, por via do reduzido esforço financeiro que impunha aos concorrentes, face às necessidades da empresa de capital fresco”.

“O Governo está a avaliar a proposta da Icelandair e esperamos que essa proposta, a ser aceite, possa contribuir, pelo menos, para a inversão da tendência de destruição de valor da empresa que ocorreu na última década, sempre sob a liderança política de Vasco Cordeiro, primeiro como secretário regional da Economia e agora como presidente do Governo açoriano”, afirma.

O deputado explica que o processo de alienação da Azores Airlines “enfermou de um amadorismo persistente” e sublinha que “ficaram por esclarecer as diligências efetuadas pela empresa e pelo seu conselho de administração na fase de pré-abertura do concurso de alienação” do capital da transportadora.

“Está por esclarecer que contatos foram estabelecidos com eventuais interessados a nível internacional; que documentação foi preparada e distribuída para divulgar a venda daquele capital e ainda se a empresa recorreu a profissionais para o desenvolvimento destas tarefas essenciais para potenciar o aparecimento de interessados neste negócio”, elenca.

António Vasco Viveiros considera que a existência de um único concorrente “deixa muitas dúvidas sobre a preparação deste dossier”, a que acresce a não entrega da proposta da Blinter por falta de tempo — quando o próprio Presidente do Governo das Canárias anunciou o interesse na alienação da Azores Airlines.

“Poder-se-á pensar que o concurso devia ter sido anulado aquando do primeiro pedido de adiamento por parte da Icelandair e, deste modo, o concurso teria, pelo menos, mais um concorrente, que seria a Blinter”, explicou.

O deputado do PSD/Açores lembra que foi o Conselho de Administração da SATA, que apresentou recentemente a sua demissão, a iniciar o processo de alienação da Azores Airlines, razão pela qual, defende, “devia ter permanecido em funções até estar concluída a venda” de 49% do capital da empresa.

A nomeação, pelo executivo regional, de António Luís Teixeira para presidente do Conselho de Administração da SATA não teve o voto favorável dos deputados do PSD/Açores na Comissão de Economia do parlamento açoriano.

António Vasco Viveiros justifica essa votação com a “necessidade, não obstante a capacidade técnica e a carreira profissional do novo administrador, de garantir uma administração profissional, conhecedora do setor da aviação comercial e tecnicamente reconhecida pelos seus trabalhadores”.