Persistentes – Opinião de João Bruto da Costa
Publicado em 11 de Junho, 2018

Os Açores já têm uma estratégia contra a pobreza e exclusão social.

Uma década para enfrentar um problema avolumado numa década de governo em negação e em permanente propaganda de um sucesso social que não existe nem existia.

Na próxima década, planeia-se fazer o que se perdeu oportunidade de fazer nesta última, apesar de tudo e todos terem tentado que os socialistas dos Açores percebessem que mais importante do que manter o poder era servir a população.

O tempo encarregou-se, infelizmente, de criar maiores problemas, mais difíceis de enfrentar e com os pequenos poderes espalhados pelo regime a tudo fazer para manter de mão estendida uma percentagem de população votante.

A sociedade que o PS se consolidou a controlar no regime vigente terá a tarefa de querer ter uma composição onde a pobreza seja residual.

Uma tarefa ingrata de esperar do carrasco a sua própria condenação, de outro modo será mais uma década de equívocos, onde a pobreza continuará persistente, tal como o poder que dela se alimenta.