Avivar a memória do Governo – Opinião de Jorge Jorge
Publicado em 12 de Junho, 2018

Numa Região como a nossa, o mar constitui-se como uma grande via de oportunidades quer ao nível da comunicação e transporte, quer como fonte de matéria prima importante para inúmeras comunidades. Para que se possa retirar do mar o melhor partido são necessárias infraestruturas portuárias de qualidade e segurança, pois estas constituem-se como fundamentais suportes de toda a atividade ligada ao mar. Sem elas, as populações não podem desfrutar dessa enorme mais valia quer seja como via de transporte ou como fonte de recursos.

No ano transato, juntamente com o deputado Marco Costa, fiz um requerimento a questionar o Governo Regional acerca da degradação bastante visível do Porto das Ribeiras, que pudemos constatar in locoao percorre-lo com algumas pessoas da comunidadelocal. Igualmente preocupante é a situação da piscina municipal contigua ao porto, importantíssimo equipamento turístico que atrai centenas de pessoas diariamente à freguesia durante o verão e que tem sido alvo por diversas vezes da força do mar, o que tem provocado prejuízos naquele equipamento. Para mais, a falta de proteção da orla costeira afeta não só a piscina municipal, como também as casas que por ali existem e que de quando em vez são “visitadas” pelo mar, provocando para além do sentimento de insegurança, prejuízos materiais.

Na sequência da resposta ao nosso requerimento o Governo Regional comprometeu-se a fazer um levantamento do estado da infraestrutura em causa (molhe do porto), que incluía uma avaliação subaquática, prevendo-se que até ao final do ano esta ação de estivesse concluída. Em relação à proteção da costa junto à piscina municipal, dizia o governo regional estar disponível para com o município avaliar a situação, uma vez que aquela infraestrutura é municipal. Passado quase um ano do nosso requerimento e estando tudo aparentemente na mesma, voltaremos a questionar o governo sobre os mesmos assuntos. Não se pode estar a adiar continuamente esta matéria, a proteção das pessoas e a manutenção de uma infraestrutura importante como aquela, não pode cair no esquecimento das prioridades do Governo Regional.