PSD/A desafia Governo a explicar de uma vez por todas se Air Center terá apenas sede simbólica nos Açores e que investimentos vão ser feitos
Publicado em 09 de Maio, 2018

Os deputados do PSD/Açores no parlamento açoriano querem saber se o Air Center (Centro Internacional de Investigação do Atlântico), anunciado para os Açores, terá apenas sede simbólica na Região e consideram que o Governo regional deve esclarecer de uma vez por todas que investimentos vão ser feitos.

Luís Rendeiro explica que as declarações do Ministro da Ciência e Tecnologia, Manuel Heitor, ontem, em Cabo Verde, não confirmam o que tem sido anunciado pelo executivo açoriano sobre a sede do Air Center, uma vez que o ministro afirmou claramente que a sede deste centro nos Açores será “apenas simbólica e com poucos funcionários”.

“O Air Center foi apresentando por Vasco Cordeiro como uma das medidas para a mitigação da redução do efetivo norte-americano da Base das Lajes. Mas os anúncios de projetos, investimentos e equipamentos destinados a Portugal, no âmbito do Air Center, têm tido como destino outras localizações que não os Açores ou muito menos a Terceira”, afirma o deputado do PSD/Açores eleito pela Terceira.

Prova disso está o facto de o primeiro investimento concretizado em Portugal, o “Supercomputador”, dos EUA, ter sido instalado na Universidade do Minho, deixando de fora a Universidade dos Açores, e o facto de a única instituição açoriana membro integrante do Air Center ser a RAEGE Açores, a associação criada a 1 de agosto de 2017 envolvendo o Governo dos Açores e a SATA.

“Quais os investimentos previstos para os Açores ao abrigo do Air Center? Em que ilhas serão instalados projetos e equipamentos relativos ao Air Center? Que montantes de investimento estão previstos e que tipos de emprego serão criados? Que tipos de projetos irão envolver a Universidade dos Açores?”, questionam dos deputados social-democratas no requerimento entregue hoje.

O Air Center foi anunciado pelo então recandidato a presidente do Governo açoriano, Vasco Cordeiro, em setembro de 2016, na Praia da Vitória, durante uma ação de campanha socialista, como um “importante contributo para gerar um novo setor de criação de riqueza e de geração de emprego na Terceira”.

Vasco Cordeiro admitiu que o Air Center viria colmatar o impacto da redução do contingente norte-americano na Base das Lajes, infraestrutura militar para a qual surgiu a ideia, numa reunião de trabalho em abril de 2017, com representantes da indústria aeroespacial mundial e cientistas de 29 países, de instalar um centro para o estudo da atmosfera ou para a investigação do fundo do mar.

A mais mediática e polémica ideia apresentada para integrar o Air Center foi a possível instalação de um base espacial para lançamentos de pequenos satélites numa das ilhas do arquipélago. O ministro da Ciência e Tecnologia chegou inclusive a afirmar que este seria um “elemento diferenciador” do projeto.

“Quais as medidas e investimentos constantes do AIR Center que se destinam a mitigar os efeitos da redução do efetivo norte-americano na Base das Lajes, conforme anunciado pelo presidente do Governo em setembro de 2016?”, questionam ainda os deputados do PSD/Açores no parlamento açoriano.