Mandatos – Opinião de João Bruto da Costa
Publicado em 07 de Maio, 2018

Não raras vezes, os deputados são desafiados a levar os problemas concretos dos cidadãos ao debate parlamentar.

A maioria socialista não deixa passar semelhantes atrevimentos e lança mão do ataque pessoal aos deputados da oposição, rotulando-os de “aproveitamento político” dos dramas pessoais e de “não dignificarem” o debate e as suas ilhas.

Não posso conceber a atividade parlamentar de outra forma que não essa. Não sei que outra função tem um deputado que não seja dar voz aos problemas das pessoas, sim, das pessoas. Haverá outra motivação para assumir um mandato de representação do povo que não tenha como justificação resolver os seus problemas? A maioria socialista diz que sim, mas não diz qual.

Os deputados têm um mandato (a maioria tem de ir rever a definição) para representar e defender os interesses dos seus eleitores. Não querer que assim seja é desvirtuar a nobre função para que foram eleitos e uma forma de censura.

O ataque pessoal ao mensageiro não anula a mensagem e muito menos poderá intimidar quem se motiva na defesa do povo.