Notas do Plenário (março) – Opinião de Mónica Seidi
Publicado em 30 de Março, 2018

Na passada semana rumámos à cidade da Horta, para a realização do plenário do mês de março. Quase me atrevo a dizer, que os plenários do mês de março desta legislatura têm sido férteis em polémicas. Pois se, no ano passado, debatemos o Plano e Orçamento para o ano de 2017, este ano previam-se debates “acesos”, segundo a agenda definida.

A gestão ruinosa da SATA, cujo acionista maioritário é o Governo Regional – e que nunca nos esqueçamos deste pormenor -, tem levado o conselho de administração da companhia a tomar decisões que prejudicam os terceirenses e a ilha Terceira.

Surpreendidos com anúncio do fim da rota Lajes-Porto, os deputados do PSD/Açores eleitos pela Terceira entregaram de imediato um requerimento ao Governo Regional, questionando os motivos para tal decisão, e pedindo esclarecimentos sobre as taxas de ocupação da referida rota. Foram necessários 3 meses para haver uma resposta por parte do Executivo!

Em setembro de 2017 foi admitido um projeto de resolução com urgência, contra o fim da rota, para que a ALRAA se pronunciasse antes da realização do último voo previsto. Claro que a urgência foi chumbada pela maioria socialista e, curiosamente, o membro do governo com competência nestas decisões não esteve presente. Lamentável.

Aliás, a decisão do PS em chumbar o projeto de resolução em análise não surpreende, pois desde setembro que antevíamos tal postura! Mesmo que no PREIT esteja escrito que um dos objetivos do Plano é reforçar a operação da Azores Airlines na ilha Terceira. Em que ficamos?

Os deputados do PSD/Açores eleitos pela Terceira não têm dúvidas: a nossa ilha não pode ficar dependente da Ryanair e da sua volatilidade. A justificação dada pela SATA é de que a rota Lajes-Porto tem baixas taxas de ocupação, um argumento que, para ser válido, teria de levar também ao encerramento de outras rotas e não apenas daquela.

A SATA andou a brincar com os terceirenses! E o PS também, pois inviabilizou a urgência da discussão do respetivo diploma. Assim, isso só aconteceu quando a rota já estava destruída!

E como uma asneira nunca vem só, a arrogância do partido socialista permaneceu ao longo da semana, fazendo com que o Projeto de Resolução do PSD/Açores, relativamente à suspensão da Linha lilás da Atlânticoline, apresentado com urgência, fosse chumbado. Pretendíamos que o mesmo fosse debatido em tempo útil, ou seja, antes do inicio do próximo verão, para que pudesse ser consequente. Claro que a maioria socialista não tem essa preocupação! E claro que o membro do governo com competência na matéria não estava presente para o discutir! O costume!

Estes são dois exemplos claros da prepotência do partido socialista, que em maioria suporta o Governo Regional, e que assim vai prejudicando gravemente a Ilha Terceira. Felizmente já não é só a oposição que comunga deste sentimento, e os próprios autarcas da Praia da Vitória e de Angra do Heroísmo também manifestaram o seu desagrado com estas decisões. Relembro que já tinham tido uma postura semelhante face aos pareceres entregues no âmbito do Plano e Orçamento para 2018, o que de facto me faz acreditar que estamos realmente perante um “novo ciclo”.