Aumento da taxa de abandono escolar precoce nos Açores é “preocupante”
Publicado em 09 de Fevereiro, 2018

A deputada do PSD/Açores Maria João Carreiro considerou “preocupante e motivo de reflexão” o aumento da taxa de abandono escolar precoce na Região, dado que aconteceu em contraciclo com o continente, onde se verificou uma redução deste indicador.

“A taxa de abandono escolar precoce na Região aumentou face ao ano passado em contraciclo com Portugal Continental, representando mais do dobro da média nacional. Não se pode ignorar esta situação, que é preocupante e motivo de reflexão”, afirmou a parlamentar social-democrata.

A taxa de abandono escolar precoce aumentou nos Açores em 2017 para 27,8 por cento, enquanto que no continente se registou uma redução para 11,9 por cento, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística.

“Como vislumbrar um futuro melhor para a Educação nos Açores, quando, em sintonia com a Estratégia Europeia para a Educação e Formação 2020, o programa ProSucesso define como objetivo principal a redução da taxa de abandono escolar precoce para níveis inferiores a 10 por cento, quando nos Açores temos uma taxa de 27,8%, valor este que aumentou face ao ano anterior”, questionou.

Maria João Carreiro salientou que a preocupação com o aumento da taxa de abandono escolar precoce, agora conhecida, se vem juntar à recente divulgação dos rankings escolares nacionais, “nos quais nenhuma escola na Região se posiciona entre os primeiros cem lugares”.

Para a deputada social-democrata, este conjunto de resultados “mostra que os Açores continuam a ser os primeiros dos últimos, o que reforça a necessidade de uma reflexão sobre a Educação” no arquipélago.

“Estes resultados não são nada alentadores e merecem a preocupação, na medida em que colocam a nossa Região na cauda do país. É urgente uma reflexão sobre o rumo do setor da Educação nos Açores”, defendeu.

A parlamentar do PSD/Açores alertou também para os “persistentes maus resultados” da Região em estudos internacionais, lembrando que, em 2015, o arquipélago continuava nos últimos lugares do ranking dos estudos PISA, “distanciando-se cada vez mais da média nacional”.

“Enquanto se mantiverem estes resultados na Educação não teremos desenvolvimento económico, a pobreza persistirá e o emprego precário prevalecerá”, disse, sublinhando que “a melhoria do desempenho dos alunos só se irá atingir mediante o desenvolvimento de uma cultura escolar de cooperação ajustada às características da Região”.

“Falar de educação é falar do futuro das nossas crianças e jovens. Falar de futuro é falar de personalizar experiências educacionais, programar o ensino de acordo com os entusiasmos e as capacidades dos alunos, ajudando-os a personalizar a aprendizagem e a avaliação, de modo a que fomentem a participação e o talento. O PSD/Açores defende ‘menos currículo, mais aluno’”, explicou.

Maria João Carreiro sublinhou que “os professores e alunos açorianos não são, à partida, piores do que os professores e os alunos de todo o país”, razão pela qual “é necessário investir numa Educação centrada no aluno, em que os professores desempenham um papel fundamental no processo de formação”.

A deputada social-democrata reafirmou que é “fundamental” reforçar a autonomia das escolas, transformando o projeto educativo de cada estabelecimento de ensino num “plano anual de melhorias de resultados educativos, com objetivos e metas quantificáveis, que possam conduzir a créditos pedagógicos e financeiros em função dos resultados obtidos no seu contexto”.

“Simultaneamente defendemos a necessidade de fortalecer a profissão de professor, dando aos docentes margem de progressão e mais tempo para trabalharem individualmente com os alunos e com os pais, para investirem no seu desenvolvimento profissional e no dos colegas”, concluiu Maria João Carreiro.