Berta Cabral e António Ventura querem saber as verdadeiras intenções para o Air Center
Publicado em 19 de Dezembro, 2017

Os Deputados do PSD/Açores na Assembleia da República, Berta Cabral e António Ventura, enviaram hoje nova pergunta escrita ao Ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE), e exigem que, “de uma vez por todas, o governo explique o que pretende para o projeto do Air Center, uma vez que às promessas feitas têm correspondido ações contrárias, o que leva a uma natural preocupação dos açorianos”, afirmam.

Os social democratas questionam as razões “que estão na base da noticiada instalação do supercomputador na Universidade do Minho. Se, como anunciou o governo, o Air Center pretende ser um projeto âncora para a Base das Lajes, esta uma das contradições”, avançam.

Berta Cabral e António Ventura vão mesmo à questão geral: “Em que consiste, afinal, o projeto Air Center? E qual é o calendário previsto para a sua instalação na Base das Lajes? O governo ainda nunca explicou isto”, criticam.

“Os açorianos estão descrentes relativamente ao muito que se tem dito e prometido como soluções mitigadoras e usos alternativos para a Base das Lajes, após a redução da presença norte americana na Ilha Terceira”, recordam os deputados.

“Mas é preciso saber o que se pode esperar deste projeto em termos de investimento, direto e indireto, para a Terceira. E quantos postos de trabalho irá criar”, acrescentam.

Os deputados do PSD/Açores lembram ainda que, “desde Centro de Treino, Centro de Intelligence, o Terceira Tech Island, Centro de Segurança da Nato, Centro de investigação internacional para tecnologias nas áreas do espaço, para o estudo do clima e dos oceanos, instalação de satélites, Observatório do Atlântico, Air Center, até à menção de que o orçamento da Defesa dos EUA considera usos adicionais para a Base das Lajes, tem havido anúncios e promessas para todos os gostos”.

“No entanto, e na primeira oportunidade de uma ação concreta, como é o caso da atribuição do supercomputador, o mesmo vai para a Universidade do Minho, sem que a Universidade dos Açores tenha sequer sido ouvida sobre a matéria”, sublinham.

Sobre este mesmo assunto, “questionamos, em audição, o Sr. Ministro dos Negócios Estrangeiros, que não nos soube responder. Mas não desistimos, porque o nosso compromisso com os açorianos é o de lutar pelos seus interesses, e esta é uma situação clara de que a indefinição só está a prejudicar a Região”, concluem Berta Cabral e António Ventura.