Ministro da Economia desconhece proposta do “Azores Business Center”
Publicado em 14 de Novembro, 2017

O deputado do PSD/Açores na Assembleia da República, António Ventura, acusou ontem o Ministro da Economia de “desconhecimento” sobre a criação do “Azores Business Center”, anunciado pelo vice-presidente do Governo dos Açores, a 18 de novembro de 2015, em Angra do Heroísmo.

O social democrata recordou que Sérgio Ávila apresentou “o que seria uma zona económica especial para a área envolvente ao porto da Praia da Vitória e ao aeroporto das Lajes, a ser apresentada em proposta à Comissão Europeia, por intermédio do Governo da República”.

Ontem, durante o debate na especialidade, e no âmbito do Orçamento de Estado para 2018, António Ventura lamentou que o ministro Manuel Caldeira Cabral “nada tenha referido sobre a iniciativa” o que, no entender do social democrata, “apenas revela que a mesma não existe”.

“Passaram dois anos e nunca mais se ouviu falar sobre isto. Este era o momento de perceber se o Governo da República já apresentou a proposta à União Europeia ou se já chegou ao Governo da República alguma proposta”, questionou o deputado do PSD/Açores, para quem “foi apenas criada mais uma ilusão”.

António Ventura também questionou o ministro sobre a implementação de apoios específicos ao empreendedorismo e à criação de empresas noutros setores de atividade na Ilha Terceira, “uma iniciativa que consta da Declaração Conjunta assinada pelos Governos da República e dos Açores em abril de 2016, e que assinalava essa como uma responsabilidade direta do Governo da República, integrando o Plano de Revitalização Económica da Ilha Terceira (PREIT)”, explica.

“Também aqui, o ministro nada disse sobre os apoios. Limitando-se a referir que foram iniciados voos de uma companhia aérea low cost para a Terceira, e que o PREIT está a ser implementado com o apoio do Governo da República, e o empenho do Governo dos Açores, o que é simplesmente lamentável”, concluiu António Ventura.

Sobre o Azores Business Center, o social democrata lembrou que o Bloco de Esquerda apresentou um requerimento ao Governo Regional, a 23 de janeiro deste ano, ao qual ainda não foi dada qualquer resposta.