Catalunha e mar – Opinião de João Bruto da Costa
Publicado em 06 de Novembro, 2017

Dois temas tocam os Açores de um prisma idêntico, apesar de tão diferentes.

A declaração de independência de uma região autónoma dará uma década de discussão sobre a identidade das comunidades dentro da comunidade europeia. A evolução da União terá muito de discussão sobre as autonomias dos Estados soberanos e as suas próprias identidades num tratamento diferenciado pelas entidades supranacionais europeias. Será uma discussão de extrema importância para os Açores e para o seu futuro numa afirmação que se vai tornando essencial.

A par desta temática emergente, reformata-se a discussão em torno das questões do mar. Não só pelas incidências científicas de recorte económico, mas pela questão do território da região autónoma e da sua relação com o Estado e, paralelamente, com a União Europeia e em redor da narrativa política da relação com as comunidades autónomas no seio europeu.

Avizinham-se importantes desafios que não podemos ignorar ou aguardar pelas “vagas de fundo” que servem, sobretudo, de desculpa para políticos.

Os Açores de futuro quererão ser região autónoma do Estado, com identidade, poder e competências próprias em decisões europeias, saibamos ter a ousadia e estratégia para tal.