SATA dificulta afirmação das Flores como destino turístico, afirma Bruno Belo
Publicado em 04 de Agosto, 2017

O deputado do PSD/Açores eleito pelas Flores manifestou-se apreensivo com o serviço prestado pela SATA naquela ilha. Bruno Belo considera mesmo que a operação da companhia aérea açoriana está a dificultar a afirmação das Flores como destino turístico.

“A SATA está a prestar um mau serviço e, lamentavelmente, já existem turistas a sair das Flores deixando a garantia de que não voltarão porque perderam os voos de ligação aos seus países de origem devido aos cancelamentos da SATA resultantes dos problemas operacionais associados a uma má gestão da companhia”, afirma Bruno Belo.

O social-democrata falava após uma reunião com empresários florentinos e referiu que, recentemente, um grupo de turistas austríacos, que deveria ter seguido para Lisboa na quinta-feira para, no mesmo dia, apanhar na capital portuguesa o voo de regresso à Áustria, só conseguiu sair das Flores no sábado às 19h e regressar à Áustria no domingo.

“Situações como essa são inadmissíveis e põe em causa valores essenciais para qualquer companhia área, como a previsibilidade. Além disso, a SATA, está a transformar a experiência desses passageiros nas Flores num pesadelo uma vez que, contrariamente ao previam, só regressam a casa três dias ao que tinham previsto”, explica o deputado.

Bruno Belo nota ainda que a operação da transportadora aérea açoriana, da qual o Região Autónoma dos Açores é acionista maioritário, está também a por em causa a saúde dos habitantes da ilha, sobretudo aqueles que têm de sair para fazer tratamento oncológico, mas que acabam por perder consultas porque não conseguem sair das Flores.

“Esta situação só não é mais grave porque os funcionários da SATA tudo fazem para minimizar o impacto de toda essa má gestão”, afirma.

O deputado do PSD/Açores estranha que, perante o caos na operação da SATA, que está a por em causa o investimento na promoção turística da ilha, bem como o investimento privado, e o direito a tratamentos de saúde por parte dos florentinos, o Governo regional se limite a reconhecer que a operação “não está a correr às mil maravilhas”.

“Vasco Cordeiro é um líder fraco e só um líder fraco ignora, por conveniência e por incapacidade de reconhecer os erros da sua governação, o que se está a passar em termos de transportes aéreos nas Flores e em outras ilhas da Região”, resume Bruno Belo.