Bugalhos – Opinião de João Bruto da Costa
Publicado em 17 de Julho, 2017

Quando um doutrinador do regime socialista dos Açores mistura desertificação de ilhas com deslocação de populações para os centros dentro da mesma ilha percebemos o porquê da questão ainda esta semana difundida nas redes sociais sobre onde encontrar alhos da Graciosa na ilha de S. Miguel.

A junção destes conceitos de continuidade territorial com descontinuidade populacional pode dar para inutilizar alguns minutos do tempo de meditação política da doutrina das justificações, mas nunca conseguirá responder à singela pergunta de onde encontrar produtos de qualidade de uma ilha do grupo central na ilha de S. Miguel ou vice-versa.

Existirá economia sem mercado? Ou deixará de haver economia por eu ter mudado de rua? Ou por passar a comprar no hiper?

Voltamos a misturar tudo bem misturadinho e passamos às teorias, pois isto só é possível com boas desculpas e com a filosofia política a mandar na economia real.

Volto aos alhos da Graciosa para venda em S. Miguel ou à simples garrafinha de água dos Açores para venda no grupo central e apagam-se as luminárias; Não há!

Discutir por comparação a deslocalização de pessoas na mesma ilha com o despovoamento de um ilha inteira pode até permitir estas ironias para caricatura do nosso tempo. Mas é assunto grave que exige mais do que as desculpas sobre os resultados a que assistimos.