Autónomos? – Opinião de Hermano Aguiar
Publicado em 12 de Setembro, 2016

Com a conquista da Autonomia democrática os Açores alcançaram a emancipação.

A Autonomia possibilitou, nestes quarenta anos, progressos visíveis no desenvolvimento cultural, social e económico da Região.

Graças à Autonomia democrática e à solidariedade nacional e europeia, os açorianos ultrapassaram séculos de isolamento e de dificuldades.

Mas o quadro social, cultural e económico que os açorianos vivem no seu dia-a-dia, em nada enaltece os princípios fundadores da Autonomia democrática.

Nos últimos anos cada vez mais famílias açorianas foram afastadas para as margens da sociedade, dependentes da administração pública com pensões, subsídios e rendimentos de miséria.

Os Açores que os pais da Autonomia desenharam e que os açorianos apoiaram e fizeram vingar no Portugal democrático não são estes.

A linha de pensamento autonómico que defende que “não há poderes a mais, temos é meios (financeiros) a menos” viu-se ultrapassada nos últimos anos de governação socialista, em que se anunciou, ano após ano, superávites orçamentais, mas aumentando a pobreza, o desemprego e a injustiça social.

A tarefa principal está por concretizar: fazer com que cada açoriano seja cada vez mais autónomo.