Domínio – Opinião de Hermano Aguiar
Publicado em 07 de Março, 2016

Os Açores não conhecerão o desenvolvimento económico, social, cultural e cívico se continuarem a ter um regime autonómico que, embora progressista em letra de Estatuto, oferece aos açorianos pobres índices de desenvolvimento e de bem-estar.

Enquanto a gestão da coisa pública ficar restrita a uma centena de “interessados” e seus amigos, e não conseguirmos ter uma sociedade civil capacitada, crítica, não vamos sair daqui.

O domínio da sociedade açoriana, por parte dos “donos” dos dinheiros públicos, foi e continua a ser a receita para satisfazer as clientelas e abafar qualquer surto de vontade crítica por parte da sociedade civil.

A eleição do presidente do Conselho de Ilha de São Miguel, em que o Partido Socialista tentou “impor” Ricardo Rodrigues, em detrimento de um representante da sociedade civil, Jorge Rita, o modo deselegante como o governo lida com o presidente da Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada e a tentativa de “estrangulamento” da ACRA – Defesa do Consumidor, demonstram como os 20 anos de permanência no poder conduzem ao nepotismo, à opacidade, à impunidade.

Está a perpetuar-se o ciclo de controlo, dependência, favoritismo e pobreza. Acodem-nos!