PSD/Açores questiona governo regional sobre classificação do Carnaval da Terceira
Publicado em 15 de Fevereiro, 2016

O PSD/Açores questionou o Governo Regional sobre o processo de classificação das danças e bailinhos de Carnaval da ilha Terceira como património cultural imaterial de Portugal, tendo em conta que “o projeto de resolução que recomendava aquela classificação foi aprovado, por unanimidade, na sessão plenária de 5 de setembro de 2013”, lembra a deputada Judite Parreira.

A social-democrata recorda que, “a necessidade de preservar e valorizar aquela tradição”, levou o grupo parlamentar do PSD/Açores “a apresentar a referida proposta, recomendando ao governo que diligenciasse a classificação do nosso Carnaval como património cultural imaterial de Portugal”.

“Ora, passados mais de dois anos, passadas três quadras carnavalescas, e estando a menos de um ano o final da atual legislatura, importa fazer um ponto da situação. O Governo Regional deve esclarecer os açorianos, e os terceirenses em particular, sobre um assunto que lhes é tão caro”, refere Judite Parreira.

“Foi nesse sentido que os deputados do PSD/Açores eleitos pela ilha Terceira entregaram, na Assembleia Legislativa, um requerimento, de forma a saber que diligências já foram efetuadas pelo Governo Regional para a classificação das danças e bailinhos de Carnaval como património cultural imaterial de Portugal”.

“Queremos igualmente saber que entidades representativas da cultura terceirense ouvidas sobre o assunto, e para quando se prevê estar o processo concluído”, acrescenta a deputada, realçando que “estamos a falar de um fenómeno cultural ímpar nos Açores, cujo aparecimento se confunde com o próprio povoamento das ilhas”.

Segundo Judite Parreira, “trata-se somente da maior manifestação da cultura popular de língua portuguesa, única em originalidade, que envolve todos os anos centenas de pessoas, entre dançarinos e atores, músicos e autores de letras e músicas, contribuindo também de forma significativa para a economia da ilha, até porque são um original cartaz turístico”.

A deputada do PSD/Açores diz ainda que as danças e bailinhos de Carnaval “já ultrapassaram os limites geográficos da Terceira, pois os nossos emigrantes no Canadá e Estados Unidos cultivam-nos com carinho, transmitindo-os por via geracional, e contribuindo assim para manter vivo o conhecimento da língua portuguesa nas suas comunidades”, concluiu.