Governo do PS não cumpre promessa de nova escola na Povoação
Publicado em 14 de Janeiro, 2016

O PSD/Açores acusou o PS e o Governo Regional “de adiarem o futuro da Povoação, não cumprindo a promessa, feita em 2012, de uma nova Escola Básica e Secundária para o concelho”.

“Na atual escola, a falta de condições não encontra paralelo em qualquer outro estabelecimento de ensino dos Açores, e o PS não quer que se avance com uma nova escola até 2020”, disse o deputado Joaquim Machado.

O social-democrata citou uma recomendação, “aprovada por unanimidade em maio de 2009, para que a nova Carta Escolar contemplasse a construção de uma Escola na Povoação”, frisando que “as razões apontadas eram as instalações desadequadas e que, há sete anos, já não ofereciam boas condições de trabalho”, adiantou.

“Aliás, a melhor descrição das instalações foi mesmo feita por uma senhora deputada do PS, em 2009, relatando espaços exíguos, com má circulação de ar, ou a dificuldade de elaboração dos próprios horários em virtude de haver aulas simultâneas num mesmo espaço”, acrescentou Joaquim Machado.

“Há sete anos era assim, e tudo se complicou com a degradação das instalações e dos equipamentos, tendo crescido as exigências para aquele estabelecimento de ensino, até porque a escolaridade obrigatória foi alargada de 9 para 12 anos”, alertou.

Joaquim Machado lembrou que “em causa está o desejo antigo dos povoacenses de disporem de instalações seguras e propícias a um ensino de qualidade que lhes é devido. E esse é um direito inquestionável”.

O deputado recordou ainda que, “em março de 2012, ano de eleições regionais, o PS emitiu um comunicado onde se lia que o concelho da Povoação precisa de uma escola, e vai tê-la com o PS. Foi mais uma mentira e foi mais uma falsa promessa feita aos povoacenses”, criticou.

“O chumbo do PS à recomendação para que se desencadeasse urgentemente o processo de construção de raiz de novas instalações para a Escola Básica e Secundária da Povoação não é uma perda para o PSD/Açores, significa sim uma perda para toda aquela comunidade escolar”, lamentou Joaquim Machado.

“Porque esse é o desejo dos alunos, dos pais e dos encarregados de educação, enfim, de toda a comunidade educativa da Povoação, de Nossa Senhora dos Remédios, do Faial da Terra e de Água Retorta, Furnas e Ribeira Quente, que têm o direito a uma educação condigna”, defendeu.

Durante o debate, Joaquim Machado acusou o Secretário Regional da Educação e Cultura de ser “descuidado e de reincidir em críticas avulsas, impróprias, injustas e intempestivas neste Parlamento”.

“Já o tinha sido há algum tempo, na ausência dos deputados, e frente a alunos que aqui vieram para aprender sobre política. Esse seu tom doutoral e essa superioridade moral não o torna mais sério nem mais credível do que ninguém”, referiu.

O deputado do PSD/Açores acrescentou que todos os políticos “devem dizer que sim quando em causa está o desenvolvimento dos Açores”, e que foi o Governo Regional “a faltar à sua palavra, lançando de facto o descrédito sobre a classe política”, concluiu.