Ano Novo, Vida Nova! – Opinião de João Bruto da Costa
Publicado em 06 de Janeiro, 2016

A cada novo ano, renovam-se esperanças, desejam-se novos projectos, programam-se desafios que podem ou não concretizar-se, damos asas ao que a nossa imaginação nos permite ou, simplesmente, viramos mais uma página de satisfação por mais um ano que passou!

A cada novo ano, fazem-se, também, os balanços do passado recente, das oportunidades perdidas e das que até correram bem, das espectativas que, exactamente nesta altura, a cada ano passado, temos sobre o futuro que se avizinha com mais esse novo ano que chega.

No plano pessoal, político, social, profissional ou familiar, na intersecção de todas e cada uma destas vertentes, a nossa avaliação feita no dealbar de um novo ano tem sempre esta interlocução entre o que foi e o que vai ser, a que se junta o que devia ter sido e o que podia vir a ser.

No plano político, ao qual nos dedicamos semanalmente neste espaço, o ano velho e o ano novo são como o governo velho e o governo novo do socialismo insular açoriano, no final de um depositavam-se muitas esperanças e nova confiança, mas com o envelhecer do novo veio renovada vontade de que termine este e outro lhe suceda.

Naquele que é o virar de página do último ano de governo do novo socialismo com velhos protagonistas, o sentimento que nos assalta é de que este governo podia ter sido melhor, podia ter feito mais, podia ter fugido de ser apenas mais uma sequência do que o que o antecedeu, estancando o surgimento dos vícios do poder único e absoluto conforme o sentem aqueles que o assumiram com rótulo de “novo”, mas agarrados aos favores que no passado pediram para hoje serem o que são.

Tal como aquando do “novo ano” clamamos por “vida nova”, também uma maioria de açorianos achava que a renovada confiança, a renovada esperança, a renovada ambição do socialismo regional iria trazer um outro rumo à região, se iria reinventar numa fórmula de sucesso, uma “via açoriana” apropriada pelo poder único e absoluto do socialismo regional que, pelo menos, trouxesse o renovado sonho de desenvolvimento económico, social e de coesão que tanto ambicionam as gentes insulares.

Mas, tal como nem todos os novos anos trazem a concretização do que apostávamos empreender, também o novo socialismo dos Açores não trouxe aquilo que muitos açorianos acreditaram e desejaram com a “via” proposta pelo novo directório do socialismo regional, mas, afinal, agora comandado à distância pelo passado.

E tal como quando olhamos para a dicotomia entre o ano velho e o ano novo, também nos Governos dos Açores o sucesso do novo seria fazer esquecer o velho, mas a omnisciência deste torna o recordar dos seus feitos na insignificância do seu sucessor.

É como passar o ano novo todo a falar do ano velho, de como as coisas até tinham tarelo, de como não havia disparates nem dissidências, havia quem mandasse e quem obedecesse, quem soubesse o seu lugar e quem o soubesse pôr lá, e concluir que dantes nada disto se passava, dantes? … Dantes é que era.

E quando assim é, quando se passa o tempo novo a lembrar o tempo velho, é porque verdadeiramente nada de novo se sucedeu ao que já era velho, é porque, afinal, perante uma nova “via” que uma maioria desejava ver concretizada, apenas resultou uma grande desilusão e uma renovada vontade de um outro rumo para o futuro.

Neste novo ano, os Açores precisam como nunca de uma vida nova, de um novo tempo sem um passado sempre presente a atormentar o desejo de um futuro melhor.

É tempo de um novo ano. Que suplante o velho e traga uma outra “via”. Que chegue depressa!