PSD/Açores defende mais voos entre Faial e Lisboa em 2016
Publicado em 19 de Novembro, 2015

Os deputados do PSD/Açores eleitos pelo Faial defenderam o reforço do número de voos entre a ilha e Lisboa no verão IATA de 2016, alegando que os constrangimentos verificados este ano “não se podem repetir”.

“A SATA Internacional deve, no próximo verão IATA, aumentar o número de ligações diretas a Lisboa, de forma a atingir, pelo menos, o mesmo número das que se registavam no verão IATA de 2014. Aquilo que se passou este ano não se pode repetir”, afirmaram, em comunicado, os deputados social-democratas Costa Pereira e Luís Garcia.

Os parlamentares do PSD/Açores salientaram que esta é uma reivindicação que já apresentaram por diversas vezes e que é partilhada por instituições da sociedade civil faialense, nomeadamente a Câmara de Comércio e Indústria da Horta, que, “por ocasião do seu aniversário, exigiu um aumento das ligações diretas com Lisboa no verão IATA para, pelo menos, os níveis das verificadas em 2014”.

Costa Pereira e Luís Garcia salientaram que a experiência do último verão “impõe também que, no próximo, a SATA Air Açores garanta mais voos e mais lugares nas ligações ao Faial”, possibilitando assim que a ilha “retire mais proveito do novo modelo de transporte aéreo [para o continente], nomeadamente dos reencaminhamentos gratuitos”.

“Por outro lado, exige-se nos horários inter-ilhas do próximo verão IATA uma maior articulação para permitir que quem queira sair para o exterior dos Açores, via Ponta Delgada, o posso fazer ou regressar sem a necessidade de pernoitar sempre em São Miguel”, defenderam.

Os deputados social-democratas manifestaram ainda a sua satisfação com o reforço do número de voos da SATA Air Açores para a ilha do Faial este inverno, dado que o “governo regional reconheceu o erro e anunciou a reposição do número de ligações existente no ano anterior”.

“Pior do que errar, é persistir no erro. Por isso, e porque estivemos na primeira linha, ao lado de outras instituições locais, na denúncia desta situação, não podemos deixar, agora, de manifestar a nossa satisfação e sentimento do dever cumprido, perante a decisão do governo, agora tornada pública”, afirmaram.

Costa Pereira e Luís Garcia lembraram, no entanto, que “os horários objeto da contestação só entraram em vigor, mediante aprovação da tutela, que é o governo regional”.

“O mesmo responsável político que agora prazenteiramente veio à Horta anunciar as boas notícias da alteração dos horários, é o mesmo secretário regional que aprovou, sem reparo, os anteriores horários. A desfaçatez tem de ter limites”, sublinharam.