Política de Habitação falhou nos Açores
Publicado em 25 de Novembro, 2015

O PSD/Açores considerou que a política de Habitação “falhou na Região”, assinalando que “nem a manutenção da atribuição de apoio às famílias nem o contributo para a sustentabilidade do setor da construção civil e do imobiliário se têm verificado. E essas vão sendo as justificações para que, ano após ano, o governo anuncie o reforço de verbas destinadas à habitação”, disse o deputado Paulo Parece.

“E para 2016 é anunciada a maior verba de sempre atribuída ao setor, ou não estivéssemos em ano de eleições, com cerca de 22 milhões de euros e um aumento de 3,7%, relativamente a 2015”, referiu.

“Anunciam-se milhões, que apoiam centenas de candidaturas e dezenas de projetos, alimentando-se assim a máquina de propaganda, como é prática socialista. Dito desta forma, a habitação social nos Açores é um sucesso, mas a realidade é bem diferente, como os números demonstram”, alerta Paulo Parece.

O deputado social-democrata lembra que, “na legislatura em curso, a governação socialista destinou, nos sucessivos planos, 82 milhões de euros à habitação, incluindo 2016. De 2013 ao terceiro trimestre de 2015, dos 60 milhões planeados, executaram-se pouco mais de 42, confirmando que a política de habitação nos Açores falhou”.

“E falhou na Promoção de habitação, reabilitação e renovação urbana, como falhou no Arredamento Social e Cooperação. Que novamente, têm as suas dotações aumentadas”, considera.

O deputado do PSD/Açores recorda que, na recuperação da habitação degradada, ” a média de investimento realizado não passou de 58% nos dois primeiros anos do mandato. E no que se refere ao Programa Famílias com Futuro, o investimento real não foi além dos 5 milhões de euros, quando no Plano para 2016 estão destinados mais de 7 milhões”.

“Este é o reflexo das más políticas da governação socialista e da incapacidade de gerar riqueza, promover o emprego e criar melhores condições de vida aos açorianos”, destaca.

Segundo Paulo Parece, “a culpa do estado social que se vive hoje nos Açores é da exclusiva responsabilidade dos sucessivos governos socialistas, há 19 anos no poder”.

“E os valores da execução de 2015 são bem reveladores da incapacidade que este governo tem demonstrado para cumprir o que promete. Promete-se muito, mas cumpre-se pouco, ou como diria um camarada socialista: cumpre-se poucochinho”, concluiu.