Governo regional contradiz-se no que respeita à solidariedade social
Publicado em 24 de Novembro, 2015

O PSD/Açores acusou o Governo Regional de se “contradizer” nas matérias respeitantes à Solidariedade Social, “não se compreendendo como é que podemos ser a Região do país com as melhores finanças, e depois apresentar os piores indicadores sociais e as maiores desigualdades”, disse o deputado João Bruto da Costa.

No debate do Plano e Orçamento para 2016, o social-democrata lembrou “os 52 mil idosos com pensões médias de 300 euros, as 36 mil crianças que recebem o Abono de Família, os 70 mil açorianos isentos de taxas moderadoras na Saúde, exclusivamente devido à sua condição social, ou os 18 mil beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI)”.

Sobre aquela prestação, João Bruto da Costa avançou que “São Miguel, Terceira, Santa Maria e Graciosa são as quatro regiões do país com maior incidência do RSI”, o que é revelador “da enorme contradição em torno da forte aposta na Solidariedade Social”.

O deputado referiu que “este é o mesmo Governo Regional que depois tem as execuções miseráveis na área da Solidariedade Social que se conhecem”, dando como exemplo que, “em 2014, apenas 16,9% do orçamentado se executou na área do apoio ao público com necessidades especiais”.

“E, a um nível global, já em 2015 e até setembro, apenas se executou 25% do Plano no que diz respeito à Solidariedade Social. E isso diz bem da falta de credibilidade do Plano e Orçamento para 2016”, do qual “ninguém acredita que tudo o que está previsto seja feito”, concluiu João Bruto da Costa.