Governo do PSD/Açores vai garantir “diálogo de proximidade”
Publicado em 12 de Novembro, 2015

O presidente do PSD/Açores garantiu que um governo regional social-democrata vai estabelecer um “diálogo de proximidade” com todos os cidadãos e parceiros sociais de todas as ilhas.

“No próximo ano, como presidente do governo, estarei em todas as ilhas dos Açores a fazer este diálogo com as pessoas, como temos feito até agora enquanto oposição. A Autonomia e a Democracia têm que se vivenciar todos os dias. O atual governo regional faz um diálogo quase burocrático com as entidades e com as pessoas. É o diálogo de proximidade, olhos nos olhos, que temos vindo a fazer e que vamos prosseguir nos anos futuros”, afirmou o presidente do PSD/Açores, nas jornadas parlamentares do partido, que decorrem em Ponta Delgada.

O líder dos social-democratas açorianos salientou que “a Democracia é um valor e é para ser exercida”, considerando que esta “não pode resumir-se à participação dos cidadãos em eleições de quatro em quatro anos”.

“Tal como anunciei no último Congresso, um governo regional do PSD/Açores vai avançar com a criação do Plano de Investimentos Participativo, em que uma determinada verba do Orçamento da Região fica dependente da decisão direta dos cidadãos”, revelou.

Segundo Duarte Freitas, “as pessoas querem falar, querem oportunidades para se fazerem ouvir e querem participar nas decisões e nos desafios das suas terras”.

Em relação ao diálogo com os parceiros sociais, o líder social-democrata assegurou que um governo regional da sua responsabilidade vai criar “um Conselho Económico e Social autónomo, sem a tutela do governo regional, e com o seu presidente eleito por maioria qualificada do parlamento regional”.

O presidente do PSD/Açores analisou ainda o momento atual da agricultura açoriana, nomeadamente da produção de leite, tendo afirmado que “não se pode perder muito mais tempo”.

“Como presidente do governo regional, garanto que em seis meses é possível criar a representação dos Açores em Bruxelas – que integre agricultores, comerciantes e pescadores –, o Observatório do Leite para acompanhar a evolução dos preços e uma associação interprofissional com representantes de toda a fileira do leite”, afirmou Duarte Freitas.