Esclarecimento do grupo parlamentar do PSD/Açores
Publicado em 07 de Novembro, 2015

Sérgio Ávila mente descaradamente

A tentação da mentira é, para Sérgio Ávila, mais forte do que a opção pela verdade.

Sempre que se sente acossado, quando é desmascarado pelas provas de que não existe o oásis em que diz viver a Região, não hesita. Nega, desde logo. Depois, inventa números. E nem sequer tem vergonha de se contradizer em relação à informação divulgada pelos serviços de que é responsável em última instância.

Numa palavra, Sérgio Ávila mente. Descaradamente. Leva a desonestidade técnica e política aos limites.

Vejamos:

Lembrado, pelo Presidente do PSD/Açores, de que a execução dos Planos Regionais Anuais tem atingido níveis muito reduzidos, alcançando no presente ano, no final do terceiro trimestre, a mísera percentagem de 42%, quando falta apenas umo trimestre para concluir o ano, nega. E diz que a taxa de execução média dos últimos 3 anos foi de 92%. E diz, ainda, que em 2013 foi de 96%, a que se seguiu uma taxa de 92% em 2014. Sem vergonha, fez acompanhar essas declarações do conselho de que tem de haver “mais rigor” nas declarações sobre estas matérias.

Pois bem, para que se faça o escrutínio às mentiras habituais de Sérgio Ávila, chamamos a atenção para os Relatórios de Execução Financeira Anual, publicados pela Direção Regional do Planeamento e Fundos Estruturais, sob tutela do próprio Sérgio Ávila.

Nestes documentos, que são públicos, pode-se ver que a taxa média de execução que Sérgio Ávila diz ter sido de 92% nos últimos 3 anos, foi de fato – confirmando o que Líder do PSD/Açores afirmou – de 74,8% (65,8% em 2012, 85,3% em 2013 e 73,3% em 2014).

As execuções anuais de 96% e 92% relativas a 2013 e 2014, invocadas também por Sérgio Ávila, estão igualmente, como se vê, conpletamente afastadas da verdade.

Pelos documentos oficiais, pode-se tambem confirmar que a taxa de execução do Plano de 2015, até ao final do terceiro trimestre, é de 42%.

Como pode falar de rigor quem mente desta forma? Como pode ser levado a sério quem chega ao ponto de contradizer os seus próprios números?

Ser honesto é uma característica que se exige aos políticos. Muito mais a quem tem nas suas mãos a condução das finanças regionais. Mas a honestidade política e intelectual, como se comprova, é um valor pouco caro a Sérgio Ávila.

Viciado na prestidigitação dos falsos números que frequentemente debita, o responsável das finanças regionais já nem se apercebe quando mente. Está atolado no pântano da inverdade.

Chama-se a isto, enganar os Açorianos. Sem vergonha. Descaradamente.

Nas verdadeiras democracias, quem assim age só tem à sua disposição a porta de saída do governo. Por cá, tem o governo todo nas suas mãos.