“Web summit” – Opinião de Luís Pereira de Almeida
Publicado em 25 de Setembro, 2015

Portugal mudou, hoje o país está mais leve, mais racional e mais aberto ao exterior. As provas disso são muitas e só não as vê quem não quer.

As exportações crescem, o investimento cresce e o desemprego baixa sustentadamente. O crescimento só pode ser sustentado se assentar no investimento, exportações e, só depois, no crescimento do consumo interno, não é preciso ser o génio da lâmpada para perceber que só desta forma não teremos desequilíbrios que mais tarde ou cais cedo nos colocariam nas mãos de um qualquer novo resgate ao estilo grego…

Investimento e mais investimento são uma necessidade básica para Portugal se afirmar na Europa e no mundo. O programa 2020, Competir + nos Açores, é uma importante alavanca para esse investimento. O facto da “Web Summit” ser em Lisboa nos próximos três anos é uma excelente notícia para o objetivo de captarmos investimento. A este evento espera-se que venham: 40.000 empreendedores; 2.000 empresas; 1.000 investidores; e 650 oradores.

O evento gerará receitas diretas de 175 milhões de euros e o governo português investirá pouco mais de um milhão de euros, o retorno imediato do investimento é imediato. Porém o mais importante não é o retorno imediato mas sim o que fica depois, destes empreendedores poderá sair o próximo Facebook, o próximo Google ou, quem sabe, aproxima Apple. Por outro lado afirma-se Portugal num mercado muito competitivo e dinâmico que é mundo das “startups”, que é um mercado global, dinâmico e em crescimento.

Sendo a Região Autónoma dos Açores parte integrante de Portugal, com Lisboa a duas horas de voo e com passagens com preços desde €17,99, espera-se e exige-se que o governo regional aproveite para captar algum investimento para a região nestas áreas onde a distância não é uma menos-valia.

A nossa estratégia regional de captação de investimento tem tido resultados fracos, após longos anos de APIA e alguns de SDEA e, diga-se, de muita boa vontade de todos os executantes, não há qualquer investimento significativo captado até agora. O esforço vale muito pouco quando os resultados são fracos, ninguém põe em causa o esforço mas exigem-se resultados. Ainda mais quando temos o melhor programa de apoio ao investimento de toda a Europa (competir mais) que nos foi oferecido pela União Europeia e negociado pelo governo da República.

Com esperança olho para mais esta oportunidade!