Avisos – Opinião de Hermano Aguiar
Publicado em 28 de Setembro, 2015

Depois de 4 de outubro, pelo aviso que nos vão avisando as sondagens aos eleitores em Portugal continental, os holofotes vão incidir no Presidente da República.

Cavaco Silva – parecer ser esta a indicação dos vários estudos de opinião – irá ter pela frente, no fim da sua já longa carreira política, a oportunidade para afirmar os seus dotes de persuasão num país que precisa de estabilidade política como de pão para a boca.

A história recente da Grécia – com o acesso restrito dos cidadãos às suas poupanças, o crescimento em flecha do desemprego e o êxodo dos investidores – assusta os portugueses, afugenta os investidores, desestabiliza os mercados e obriga-nos a pagar juros mais altos pela enorme dívida pública (128% do PIB) e das famílias e empresas (205% do PIB).

Tudo parece indicar que caberá ao PS cooperar com uma provável vitória da Coligação PSD/PP para que se crie a tão necessitada estabilidade politica no país. Para que se possa aprovar o próximo Orçamento do Estado. Seja um PS de Costa ou liderado por um Assis, esta não deverá ser a questão. Porque está em jogo a ainda frágil recuperação da economia do país, depois do “terramoto” financeiro de 2011.