PSD/Açores questiona Governo Regional sobre ampliação do Porto das Poças
Publicado em 03 de Agosto, 2015

O PSD/Açores questionou o Governo Regional sobre a ampliação do Porto das Poças, na ilha das Flores, uma obra que, “quase 15 anos depois de prometida, e segundo o Conselho de Governo do passado mês de julho, vai ser posta a concurso. Lamentavelmente, o tempo vai passando e aquele investimento, essencial para o desenvolvimento das Flores, nunca foi concretizado”, critica o deputado Bruno Belo.

“Não houve ano de eleições regionais em que essa não tenha sido uma promessa feita”, lembra o social democrata, recordando que, “em setembro de 2000, o Governo Regional anunciou pela primeira vez que ia reabilitar aquela infraestrutura portuária. Até hoje”, diz.

Num requerimento enviado à Assembleia Legislativa, Bruno Belo, elenca várias dúvidas sobre o concurso público agora anunciado, querendo saber “a capacidade de atracação para embarcações no projeto final de requalificação existente”, assim como “qual a área de terrapleno que nele consta, e que calendarização está prevista para o investimento”, adianta.

Segundo o deputado do PSD/Açores, e “tendo em conta o nível de segurança a que uma infraestrutura daquela natureza obriga, é preciso saber-se as dimensões do molhe e do contra molhe a construir”, da mesma forma que interroga a tutela sobre “os resultados dos ensaios de mar para o projeto que será efetivamente ser executado”.

Bruno Belo realça que “há muito tempo que a Ilha das Flores reclama a requalificação do Porto das Poças, para que os seus pescadores, os passageiros, as empresas marítimo-turísticas e a náutica de recreio possam ter melhores condições de trabalho e segurança”.

E, sobre “o rol de promessas que os vários governos socialistas criaram”, lembra ainda que, “em setembro de 2004, foi dito que se iam desencadear os procedimentos para a elaboração do projeto. Passados quatro anos (2008), o Governo Regional apresentou o anteprojeto, e em 2012 apresentou o projeto final. Ao longo dos últimos três anos, parece ter ocorrido uma longa revisão ao projeto”, refere.

“Em 2012, a obra de ampliação aprovada pelos profissionais das pescas consistia na construção de um molhe de proteção de 302 metros, um contra molhe de 102 metros para bom abrigo da bacia interior do porto, e cerca de 15 mil m2 de área molhada, 8.000m2 de terrapleno, cais e pontões com capacidade para 88 embarcações. Aguardamos agora as respostas do Governo Regional sobre o que vai ser feito”, concluiu Bruno Belo.